No inicio do blog

20 de dezembro de 2014

Bom sábado!!!!!

Instituto de Menores de Ijuí - RS - vai a leilão

19 de dezembro de 2014

UFRGS - última análise antes do vestibular.

A última atualização

Como o ano que chega ao fim pode cair no vestibular da UFRGS de 2015

A pouco mais de duas semanas das provas, confira alguns fatos que foram assunto em 2014 e podem aparecer nas questões das provas de verão


18/12/2014 | 05h31
Como o ano que chega ao fim pode cair no vestibular da UFRGS de 2015 ARIS MESSINIS/AFP
Meninos curdos sírios andar em um campo de refugiados na cidade de Suruc , na província de Sanliurfa, em 5 de novembroFoto: ARIS MESSINIS / AFP
As atualidades que aparecerem na prova da UFRGS já terão deixado sites, jornais, rádios e revistas há alguns meses. Mas não é por isso que deixam de ser importantes. Aluno preparado é, também, aluno bem-informado. Não basta saber o que aconteceu: é preciso relacionar os acontecimentos com seus desencadeadores e ser capaz de fazer ligações históricas com a situação atual.
Até por isso as atualidades ficam bem divididas entre as provas de história e geografia. Um mesmo tema pode surgir em uma questão sobre seu contexto atual ou como pergunta sobre sua origem ou passado.
— É importante lembrar do que foi notícia nos últimos meses para não errar uma pergunta fácil na hora da prova — reflete Saul Chervenski, professor de geografia do Unificado.

A importância das atualidades que podem cair na prova está também na sua relevância para um Estado ou nação. Na prova do ano passado, foi o caso do leilão da exploração de petróleo no campo de Libra, da contaminação na usina nuclear de Fukushima, das fraudes no leite — que voltaram a aparecer no noticiário em 2014 —, entre outras, mostrando a grande variedade de assuntos que podem ser cobrados.
— Questões sobre os últimos acontecimentos ocorridos no Brasil, envolvendo petróleo e a nova conjuntura econômica do Nordeste, por exemplo, também apareceram e privilegiaram os alunos que estiveram atentos às notícias — define Alexandre Rosa, professor do Anglo.


No vestibular 2015, efemérides como o centenário da I Guerra Mundial e os 50 anos do golpe militar no Brasil podem cair, mas a aposta dos professores recai mais em temas com impacto atual do que em aniversários (confira abaixo). O ideal é ter acompanhado o desenrolar dessas questões ao longo do ano, mas nas poucas semanas que faltam até a prova ainda dá tempo de revisar.
Seis temas para prestar atenção 
1. Combates na UcrâniaHistoricamente na órbita de gravitação da Rússia, a Ucrânia passou por referendos que mudaram o equilíbrio geopolítico da região. Dividida entre União Europeia e Rússia, assediada pelos Estados Unidos, a Ucrânia traz à tona temas da Guerra Fria, do imperialismo e de geopolítica aplicados à atualidade.
2. Conflitos na Faixa de Gaza e na SíriaOs renovados combates entre Israel e Palestina, bem como a guerra civil síria que já dura mais de três anos, são temas fundamentais do Oriente Médio, com diversas abordagens possíveis, desde sociais até culturais e políticas.
3. Epidemia do ebolaO fantasma da febre hemorrágica que tomou conta do oeste da África e passou a ameaçar outros continentes pode ser cobrada em aspectos demográficos, sociais e econômicos dos países envolvidos.
4. Golpe militar de 1964 e Comissão da VerdadeA ditadura estabelecida em 1º de abril de 1964 desencadeou alterações na vida social e política dos brasileiros, com reflexos inclusive atuais. Na semana passada, a Comissão Nacional da Verdade listou 434 nomes de vítimas na ditadura.
5. 20 anos do Plano RealForam oito trocas de sistema econômico no Brasil até a chegada do Plano Real, em 1º de julho de 1994. Em época de inflação alta, a UFRGS pode mencionar a data redonda em alguma questão sobre estabilidade econômica, por exemplo.
6. Crise hídricaAinda que restrita a São Paulo e outras cidades do Sudeste, a crise no abastecimento pode ser um dos temas abordados — e sob diferentes perspectivas. Em geografia, pode envolver ciclo de chuvas, desmatamento, fenômenos climáticos.

Uma última olhada - postagem repetida

Vamos mudar de assunto????

Criador de frangos fica revoltado com propaganda falsa de frigorífico e abre sua granja para denunciar as condições cruéis que vivem os animais

A Perdue, um grande frigorífico dos Estados Unidos, diz nas propagandas que suas galinhas são criadas fora de gaiolas e livres de maus tratos. "Fazer a coisa certa significa tratar as galinhas com consideração", afirma o diretor da empresa, Jim Perdue, em um de seus vídeos promocionais.
A realidade, porém, revela uma coisa bem diferente. Ao invés de animais livres, os frangos têm pernas deformadas, estão sem penas e com enormes feridas. É o que mostra Craig Watts, granjeiro que cria 720 mil frangos por ano para a Perdue.
Chocado após assistir a uma das propagandas do diretor do frigorífico, ele decidiu abrir as portas de suas quatro granjas para mostrar como é realmente a vida dos frangos da empresa. "A verdade não poderia ser mais diferente", diz.
Watts convidou um grupo de defesa dos direitos dos animais, Compassion in World Farming, para documentar as condições do local. O resultado foi divulgado este mês (veja abaixo, em inglês). As cenas são fortes.
Os frangos da granja não correm, nem ciscam. Comem muito (para ficarem ideais para o consumo humano) e passam a vida parados. Eles ficam tão amontoados na granja que é como se ficassem em gaiolas. Cada ave tem para si apenas 0,05m2.
A revista científica Poultry Science calculou que, se os humanos crescessem a um ritmo semelhante ao dos frangos, uma pessoa pesaria 330kg quando chegasse a oito semanas de idade.
Para Watts, a Perdue percebeu que os consumidores estavam preocupados com o bem estar dos animais e com a segurança alimentar, e decidiu manipular o público. "Não sei onde estabelecer o limite. Mas, quando as galinhas têm imensas feridas abertas na barriga, eu me pergunto se a criação de animais não se converteu em abuso contra os animais."

Filosofia - faço ou não faço????

Filosofia estuda a existência, o conhecimento, a verdade, os valores morais e estéticos, a mente e a linguagem. Se afasta da mitologia ao dar ênfase em argumentos racionais e se diferencia da ciência por não utilizar procedimentos e experiências sensoriais para investigação de seu estudo. A carreira do filósofo pode ser construída em instituições científicas, artísticas e culturais através de pesquisa e consultoria ou em projetos educacionais.
Em épocas de mudanças sociais e culturais, esse profissional também pode ser requisitado em jornais, revistas e telejornais para analisar notícias e mostrar ao público uma reflexão filosófica dos fatos sociais.
Para compartilhar sua vivência nesse curso, trazemos hoje uma entrevista com Vinicius Pintor, graduando em Filosofia .

1- Por que escolheu o curso de Filosofia?
A escolha do curso se deu pela identificação que tenho com a área de estudo da filosofia desde o Ensino Médio. Não somente pelo conteúdo dado em sala de aula, mas por leituras, que mesmo de maneira indireta, abordavam os temas. Acredito que a identificação com o que se vá estudar na graduação deva ser o fator principal na escolha do aluno.

2- Na prática, sua visão sobre o curso mudou? Conte-nos um pouco sobre sua rotina.
Quando ingressei no curso, não sabia ao certo o que esperar, por isso creio que minha visão do curso se mantém, em especial a minha afinidade com ele. A rotina das diferentes matérias não costuma variar muito. Em resumo, escolhemos algumas obras de algum autor, as lemos e estudamos. Provas não são comuns, apresentações e trabalhos escritos sim. O curso possibilita atividades extracurriculares envolvendo docência, ou seja, dar aulas, seja como professor propriamente dito ou como auxiliar. Eu, particularmente, dou aulas de filosofia em um cursinho comunitário, a Escola Preparatória da UFABC, experiência que para mim é extremamente enriquecedora.

3- Quais os principais benefícios e dificuldades de fazer esse curso?
Acredito que o curso de filosofia vai muito além do estudo dentro do ambiente acadêmico. Ele oferece ferramentas para que o aluno tenha uma capacidade de análise crítica forte, tendo meios para se expressar com qualidade. A maior dificuldade talvez seja externa ao curso: o preconceito que infelizmente existe com quem opta por ser professor e, em especial, estudar filosofia.

4- Quais as principais características que você acredita serem necessárias para quem escolher esse curso?
O curso exige muita leitura e o ingressante deve estar ciente disso. Mas, em suma, não acredito que existam características necessárias além do interesse pelo conteúdo. Tudo o que for necessário poderá ser aprendido durante a graduação.

5- Gostaríamos que você desse dicas, conselhos ou qualquer outro tipo de informação que ajude nossos leitores a decidir seguir (ou não) a sua profissão.
Meu conselho é que o leitor com vontade de cursar filosofia não desista por pressões externas. Coloque sua vontade e bem-estar em primeiro plano. Oportunidades para um bom profissional não faltam, para qualquer área que seja.

18 de dezembro de 2014

Paradoxos!!!!!

Um bom Natal a todos meus seguidores, alunos, ex-alunos, professores, que seja feliz!

ENEM - PPL 2014 - redação


O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) possui uma versão para pessoas privadas de liberdade – o Enem PPL – destinado a pessoas que cumprem penas em presídios. Neste ano, o Enem PPL foi aplicado nos dias 9 e 10 de dezembro para 38,1 mil candidatos, além dos participantes da cidade de Escada, localizada na Zona da Mata pernambucana, que não puderam finalizar o Enem devido a uma queda de energia no prédio onde estavam fazendo a prova.
O Enem PPL é estruturalmente idêntico ao Enem, apenas destinado a um público exclusivo – jovens e adultos que cumprem medidas socioedutivas e penas – e, portanto, no segundo dia do exame há a proposta de redação e, neste ano, o tema foi “O que o fenômeno social dos ‘rolezinhos’ representa?”.
Infelizmente não foi divulgada a proposta de redação completa, com todos os textos motivadores da coletânea, mas o Jornal do Comércio publicou parte da prova. Aliás, para quem tiver interesse em ler as provas do Enem PPL e fazê-las como forma de estudo e preparação para o Enem 2015, o Portal EBC disponibiliza os exames anteriores e seus respectivos gabaritos.
Voltando à proposta de redação do Enem PPL 2014, pensamos ser interessante este tema por algumas razões.
O Enem PPL 2014 trouxe um tema bastante recente, já que os rolezinhos estiveram em pauta desde o fim de 2013 e até foi assunto nesta coluna, no texto Redação e “Rolezinhos”, já que gerou uma enorme repercussão e discussão em todo o país, envolvendo várias esferas da sociedade brasileira.
Outro motivo que o deixa interessante no Enem PPL 2014 é que os criadores e os frequentadores dos “rolezinhos” foram alvos de preconceitos por parte da mídia e da população, assim como acontece com os jovens e adultos que cumprem penas criminais, visto a dificuldade que o Brasil tem de reeducá-los e de reinseri-los na sociedade; muitos não conseguem colocações no mercado de trabalho, por exemplo.
Obviamente podíamos discutir todas as causas e consequências destes problemas sociais, mas infelizmente o espaço é pequeno e, por isso, vamos nos atentar à análise da proposta de redação do Enem PPL 2014.
O primeiro texto motivador da coletânea conta a origem dos “rolezinhos” e mostra a importância para o jovem de conhecer um ídolo, seja ele um “famosinho” da rede social ou um MC (mestre de cerimônias do funk). Deste modo, este primeiro texto motivador situa o candidato acerca do tema.
Já o segundo texto motivador é uma charge que retrata a atuação dos shoppings ao barrar jovens humildes em suas dependências, pois o cartunista mostra um segurança pedindo a dois meninos a carteira de identidade e um extrato bancário a fim de analisar se permite ou não a sua entrada.
Esta charge é, claramente, uma crítica ao comportamento dos empresários do comércio frente aos “rolezinhos”, já que os proibiu e apenas permitiu a entrada de jovens de determinada classe social e, possivelmente, de determinada etnia.
Por fim, segundo Margarida Azevedo, jornalista que assina a coluna do Jornal Comércio, o terceiro texto motivador da coletânea era do site Geledés Instituto da Mulher Negra e abordava as atitudes dos MCs e as relacionava com o funkostentação e, consequentemente, com o consumismo e a exaltação do luxo.
Assim, diante deste cenário, o candidato deveria dizer o que o fenômeno dos “rolezinhos” representa ou representou na sociedade brasileira e responder a questões cruciais, como por exemplo, como isto iniciou, por que teve tanta repercussão, o que estava em jogo, por que incomodou tanto etc.
Aspectos como inclusão social por meio do consumo, influência do estilo musical e dos ídolos, direito de ir e vir, direito ao lazer que é tão pobre nas periferias do Brasil poderiam e deveriam ser tratados pelos candidatos ao Enem PPl 2014.
Os participantes poderiam colocar-se contra os “rolezinhos”? Possivelmente, mas estes deveriam atentar-se à charge que crítica a postura dos shoppings que, de uma certa maneira, segregaram os jovens que iam aos encontros e, para tanto, deveriam derrubar este argumento e construir um contra-argumento, provando que não houve discriminação, por exemplo.
No entanto, isto é difícil, já que o recorte temático da proposta partia para uma abordagem mais crítica em relação à segregação social e étnica promovida por parte dos comerciantes e por parte da mídia.
Assim sendo, é um tema atual, de ampla repercussão e que merecia um tratamento em um vestibular ou exame como o Enem, já que suscita discussões acerca de inclusão social, segregação, falta de oportunidades de lazer, consumismo e ostentação, tão presente na sociedade capitalista em que vivemos.

17 de dezembro de 2014

UNESP

 A redação da segunda prova da segunda fase do vestibular da Universidade Estadual Paulista (Unesp), realizada nesta segunda-feira (15), teve como tema "O legado da escravidão e o preconceito contra negros no Brasil." A prova teve ainda 12 questões discursivas de linguagens e uma redação. O tema da redação foi "O legado da escravidão e o preconceito contra negros no Brasil".

14 de dezembro de 2014

UFSM

A prova de redação começou às 15h. Os candidatos tiveram até às 18h para concluir. O tema foi divulgado às 16h30min, quando a sirene soou indicando que os candidatos já poderiam deixar as salas.
Em um artigo opinativo, de até 25 linhas, o tema trazia o seguinte questionamento: "Juventude conectada: evolução ou problema social?

12 de dezembro de 2014

Um texto interessante



Transa Gramatical 


Redação feita por uma aluna do curso de Letras, da UFPE Universidade Federal de Pernambuco - (Recife), que venceu um concurso interno promovido pelo professor titular da cadeira de Gramática Portuguesa.
Redação: 


Era a terceira vez que aquele substantivo e aquele artigo se encontravam no elevador.
Um substantivo masculino, com um aspecto plural, com alguns anos bem vividos pelas preposições da vida.
E o artigo era bem definido, feminino, singular: era ainda novinha, mas com um  maravilhoso predicado nominal.
Era ingênua, silábica, um pouco átona, até ao contrário dele: um sujeito oculto, com todos os vícios de linguagem, fanáticos por leituras e filmes ortográficos.
O substantivo gostou dessa situação: os dois sozinhos, num lugar sem ninguém ver e ouvir. E sem perder essa oportunidade, começou a se insinuar, a perguntar, a conversar.
O artigo feminino deixou as reticências de lado, e permitiu esse pequeno índice..
De repente, o elevador pára, só com os dois lá dentro: ótimo, pensou o   substantivo, mais um bom motivo para provocar alguns sinônimos.

Pouco tempo depois, já estavam bem entre parênteses, quando o elevador recomeça a se movimentar: só que em vez de descer, sobe e pára justamente no andar do substantivo.

Ele usou de toda a sua flexão verbal, e entrou com ela em seu aposto.
Ligou o fonema, e ficaram alguns instantes em silêncio, ouvindo uma fonética clássica, bem suave e gostosa. Prepararam uma sintaxe dupla para ele e um hiato com gelo para ela.

Ficaram conversando, sentados num vocativo, quando ele começou outra vez a se insinuar.
Ela foi deixando, ele foi usando seu forte adjunto adverbial, e rapidamente chegaram a um imperativo, todos os vocábulos diziam que iriam terminar num transitivo direto.
Começaram a se aproximar, ela tremendo de vocabulário, e ele sentindo seu ditongo crescente: se abraçaram, numa pontuação tão minúscula, que nem um período simples passaria entre os dois.
Estavam nessa ênclise quando ela confessou que ainda era vírgula; ele não perdeu o ritmo e sugeriu uma ou outra soletrada em seu apóstrofo.

É claro que ela se deixou levar por essas palavras, estava totalmente oxítona às vontades dele, e foram para o comum de dois gêneros.
Ela totalmente voz passiva, ele voz ativa. Entre beijos, carícias, parônimos e substantivos, ele foi avançando cada vez mais: ficaram uns minutos nessa próclise, e ele, com todo o seu predicativo do objeto, ia tomando conta.

Estavam na posição de primeira e segunda pessoa do singular, ela era um perfeito agente da passiva, ele todo paroxítono, sentindo o pronome do seu grande travessão forçando aquele hífen ainda singular.

Nisso a porta abriu repentinamente.

Era o verbo auxiliar do edifício. Ele tinha percebido tudo, e entrou dando conjunções e adjetivos nos dois, que se encolheram gramaticalmente, cheios de preposições, locuções e exclamativas.

Mas ao ver aquele corpo jovem, numa acentuação tônica, ou melhor, subtônica, o verbo auxiliar diminuiu seus advérbios e declarou o seu particípio na história.  
Os dois se olharam, e viram que isso era melhor do que uma metáfora por todo o edifício.
O verbo auxiliar se entusiasmou e mostrou o seu adjunto adnominal. Que loucura, minha gente. Aquilo não era nem comparativo: era um superlativo absoluto.
Foi se aproximando dos dois, com aquela coisa maiúscula, com aquele predicativo do sujeito apontado para seus objetos. Foi chegando cada vez mais perto, comparando o ditongo do substantivo ao seu tritongo, propondo claramente uma mesóclise-a-trois.
Só que as condições eram estas: enquanto abusava de um ditongo nasal, penetraria ao gerúndio do substantivo, e culminaria com um complemento verbal no artigo feminino.
O substantivo, vendo que poderia se transformar num artigo indefinido depois dessa, pensando em seu infinitivo, resolveu colocar um ponto final na história: agarrou o verbo auxiliar pelo seu conectivo, jogou-o pela janela e voltou ao seu  trema, cada vez mais fiel à língua portuguesa, com o artigo feminino colocado em conjunção coordenativa conclusiva.

Retomando as orações - coordenadas e subordinadas - vamos lá???????




Classificação das orações coordenadas

Chamamos de orações coordenadas assindéticas, as que não possuem conjunção.

Cheguei cedo, guardei meus livros, fiquei na frente da tevê.

Tenho, portanto, três orações, pois há três verbos.



As orações coordenadas sindéticas são divididas em cinco tipos e recebem o nome
da conjunção que as introduz.






EXERCÍCIOS:



1. Classifique as orações coordenadas conforme o código abaixo:


( 1 ) oração coordenada assindética


( 2 ) oração coordenada sindética aditiva


( 3 ) oração coordenada sindética adversativa


( 4 ) oração coordenada sindética alternativa


( 5 ) oração coordenada sindética explicativa


( 6 ) oração coordenada sindética conclusiva


a) Gosto muito de dançar, pois faço “jazz”desde pequenina. (   )


b) Recebeu a bola, driblou o adversário e chutou para o gol. (   )


c) Acendeu o “abat-jour”, guardou os chinelos e deitou-se. (   )


d) Não se desespere, que estaremos a seu lado sempre. (   )


e) Ele estudou bastante; deve, pois, passar no próximo vestibular. (   )


f) Está faltando água nas represas, por conseguinte haverá racionamento de energia. (   )


g) Não me abandone, ou eu sou capaz de morrer. (   )


h) Não é gulodice, nem egoísmo de criança. (   )


i) Ela não só chorava, como também rasgava as cartas com desespero. (   )


j) Choveu muito na região sudeste; no entanto, o rodízio de água começará amanhã. (   )


l)Viajei até ao Norte, porém não consegui observar todas as paisagens.(  )


m)    Já vos foram fornecidos os exercícios, portanto trabalhem bem.(   )


n).    Traz-me as tuas revistas ou terei que comprar outras.(   )


o)    Seja pelo melhor, seja pelo pior, vou emigrar para Londres.(   )


p).    O meu amigo não aceita ajuda de ninguém, por conseguinte vou ajudá-lo sem que perceba.(   )


q)    Tudo é belo nestas paisagens mas falta-me a minha família.(   )


r)    Eles não terminaram o que tinham que fazer nem se esforçaram por isso.(   )


s)    Ora me dizes para estudar, ora me obrigas a trabalhar na loja. (   )




2. (Univ. Fed. Santa Maria – RS) – Assinale a seqüência de conjunções que estabelecem, entre as orações de cada item, uma correta relação de sentido.


1. Correu demais, ... caiu.

2. Dormiu mal, ... os sonhos não o deixaram em paz.

3. A matéria perece, ... a alma é imortal.


4. Leu o livro, ... é capaz de descrever as personagens com detalhes.

5. Guarde seus pertences, ... podem servir mais tarde.


a) porque, todavia, portanto, logo, entretanto

b) por isso, porque, mas, portanto, que

c) logo, porém, pois, porque, mas

d) porém, pois, logo, todavia, porque

e) entretanto, que, porque, pois, portanto


3. Todos os períodos dados a seguir são compostos por coordenação. Separe as orações de cada um deles e classifique-as.

a) Todos prometeram ajudar; muitos, porém, não cumpriram a promessa.

__________________________________________________________________________________

b) “O homem ao meu lado acende outro cigarro, dá uma tragada e joga-o pela janela”. (Stanislaw Ponte Preta)

___________________________________________________________________________________

c) Ele trabalhava durante o dia e estudava à noite.

___________________________________________________________________________________

d) A criança ora cantava, ora se punha a correr pela sala.

___________________________________________________________________________________



4. Assinale a alternativa em que a oração em destaque foi incorretamente analisada:

a) (     ) Compre o bilhete PORQUE O SORTEIO SERÁ AMANHÃ. (Oração Coordenada Sindética Conclusiva)

b) (     ) Viu o acidente E SOCORREU AS VÍTIMAS. (Oração Coordenada Sindética Aditiva)

c) (     ) O professor fala muito, QUESTIONA BASTANTE. (Oração Coordenada Assindética)

d) (     ) Volte cedo, POIS IREMOS À FESTA. (Oração Coordenada Sindética Explicativa)

e) (     ) Não correu NEM BRINCOU. (Oração Coordenada Sindética Aditiva)


 


5. (F. TIBIRIÇA-SP) No período "Penso, logo existo", oração em destaque é:
a) coordenada sindética conclusiva
b) coordenada sindética aditiva
c) coordenada sindética alternativa
d) coordenada sindética adversativa


Ele pensava numa nova edição do seu romance pela mesma editora; NÃO, PODERIA, POIS, TER RESCINDIDO O CONTRATO COM ELA.”

6. A oração destacada classifica-se como

a) subordinada adverbial final.

b) subordinada adverbial consecutiva.

c) subordinada adverbial condicional.

d) coordenada assindética explicativa.

e) coordenada sindética conclusiva.


7. No período: “Paredes ficaram tortas, animais enlouqueceram e as plantas caíram”, temos:

 a)      Duas orações coordenadas assindéticas e uma oração subordinada substantiva.

b)      Três subordinadas substantivas.

c)      Três orações coordenadas.

d)      Quatro orações coordenadas.

e)       Uma oração principal e duas orações subordinadas.


8. Una as orações de cada um dos pares a seguir com a conjunção coordenativa adequada:

a.) O lavrador abriu sulcos. Depositou as sementes. ________________________________________________

b.) Precisamos preservar a natureza. Não sobreviveremos.__________________________________________




9) Considere as frases abaixo:

1.  Ao chegar a partilha, estava encalacrado, e na hora das contas davam-lhe uma ninharia.

2.  Pouco a pouco o ferro do proprietário queimava os bichos de Fabiano.

3.  Não se descobriu o erro, e Fabiano perdeu os estribos.

4.  Passar a vida inteira assim no toco, entregando o que era dele de mão beijada!

5.  O amo abrandou, e Fabiano saiu de costas, o chapéu varrendo o tijolo.


Pode-se afirmar que temos orações coordenadas sindéticas aditivas em:

a) (     ) 1, 2 e 3;

b) (     ) 1, 3 e 4;

c) (     ) 1, 3 e 5;

d) (     ) 2, 4 e 5;


10) A conjunção E normalmente é usada como conjunção coordenada aditiva. No entanto, em uma das alternativas abaixo, isso não ocorre:

a) Entrou, comprou ingressos e saiu logo.

b) Maria é amiga de César e Vera, de Mário.

c) Não se preparou para o concurso e conseguiu passar.

d) Saia daí e não volte mais!

e) Nem um nem outro conseguiu pagar a conta e ficaram devendo o almoço.


11) A conjunção E tem valor adversativo na frase:

a) Cheguei, vi e venci.

b) Arrumou as malas e despediu-se.

c) Deitei-me exausto e não consegui dormir.

d) Siga o meu conselho e não se arrependerá.

e) Choveu durante toda a noite e não pudemos sair.


12) "Estava direito aquilo? Trabalhar como negro e nunca arranjar carta de alforria!"

Neste trecho temos:

a) uma oração coordenada sindética adversativa

b) uma oração coordenada sindética aditiva

c) uma oração coordenada assindética e uma coordenada aditiva

d) uma oração coordenada e uma subordinada


13)" Não quis ouvir o teu agouro.

         Colhi todas as rosas que nasceram

          Nos caminhos por onde me levaste

          E as rosas não morreram."

                                    (Álvaro Moreyra)

 Considerando-se o último verso, ele se classifica como uma oração:

a) aditiva

b) explicativa

c) conclusiva

d) alternativa

e) adversativa


14) Meu dia outrora principiava alegre;

       No entanto à noite eu chorava. Hoje mais velho,

       Nascem-me em dúvida os dias, mas

       Findam sagrados, serenamente."

                                      (Manuel Bandeira)

No texto acima encontramos, pela ordem:

a) uma oração coordenada sindética alternativa e uma oração sindética adversativa

b) uma oração coordenada sindética adversativa e uma oração sindética alternativa

c) duas orações coordenadas sindéticas adversativas

d) uma oração coordenada sindética explicativa e uma oração sindética conclusiva

e) duas orações coordenadas sindéticas explicativas


15) "Já estava saturado daqui;. era preciso, porém, suportar aquele voltear de mulheres."

No texto é possível detectar:

a) uma oração coordenada sindética alternativa

b) uma oração coordenada sindética adversativa

c) uma oração coordenada sindética conclusiva

d) uma oração coordenada sindética explicativa


16) No período - "Choveu durante a noite, porque as ruas estão molhadas" -a oração destacada é:

a) coordenada sindética alternativa

b) coordenada sindética conclusiva

c) coordenada sindética aditiva

d) coordenada sindética explicativa

e) coordenada sindética adversativa


17) Chamando de:

1. o período composto por coordenação sindética,

2. o período composto por coordenação assindética,

assinale a alternativa correta:

a) Colhemos frutos, jogamos bola. (1)

b) Bem depressa chegou o trem; despedimo-nos sem demora.(1)

c) Os dois anos de serviço acabaram em 1855, e o escravo ficou livre, mas continuou o ofício.(1)

d) Dormi tarde, mas acordei cedo.(2)

e) Fui bem em Português, mas não acertei nada de Química.(2)


18) Assinale a alternativa que contém uma oração coordenada sindética adversativa.

a) A frustração cresce e a desesperança não cede.

b) O que dizer sem resvalar para o pessimismo, a crítica ou a auto-absolvição?

c) É também ocioso pensar que nós da elite, temos riqueza suficiente para distribuir.

d) Sejamos francos.

e) Em termos mundiais, como potência econômica, somos irrelevantes, mas extremamente representativos como população.


19) Assinale a alternativa em que aparece uma conjunção coordenada sindética explicativa:

a) A casaca dele estava remendada, mas estava limpa.

b) Eles se amavam, contudo não se falavam.

c) Todos trabalhando: ou varrendo ou lavando as vidraças.

d) Chora, que lágrimas lavam a alma.

e) O time ora atacava, ora defendia e, no placar, o resultado não se movia.



GABARITO

1)a)(1-5)
b)(1-1-2)
c)(1-1-2)
d)(1-5)
e) (1-6­)
f)(1-6)
g)(1-4)
h)(1-2)
i)(1-2)
j)(1-3)
l)(1-3)
m)(1-6)
n)(1-4)
o)(1-1-1)
p)(1-6)
q)(1-3)
r)(1-2)
s)(4-4)
  
2.Letra B

3.
a) Todos prometeram ajudar;/ muitos, porém, não cumpriram a promessa.Assindética e adversativa
b) “O homem ao meu lado acende outro cigarro, dá uma tragada/ e joga-o pela janela”. Assindética e aditiva
c) Ele trabalhava durante o dia/ e estudava à noite.Assindética e aditiva
d) A criança ora cantava, /ora se punha a correr pela sala.assindética e alternativa

4.Letra A
   
5.Letra A
   
6.Letra E

7. Letra C
 
8.
a.) O lavrador abriu sulcos E depositou as sementes.
b.) Precisamos preservar a natureza PORQUE  não sobreviveremos.
9) Letra C
 
10)Letra C 
 
11) Letra C

12)Letra B

13)Letra E

14) Letra C

15)Letra B

16)Letra D

17)Letra C
 
18) Letra E
 
19) Letra D    
       



Orações Adjetivas - Exercícios






1. Explique a diferença de sentido entre os pares de orações adjetivas e classifique-as em EXPLICATIVA ou RESTRITIVA:
a. I. O homem, que se considera racional, muitas vezes age animalescamente.
    II. O homem que se considera racional muitas vezes age animalescamente.


b. I. Mandei um telegrama para o meu irmão que mora em Roma.
   II. Mandei um telegrama para o meu irmão, que mora em Roma.


c. I. Os idosos, que gostam de dançar, se divertiram muito.
   II. Os idosos que gostam de dançar se divertiram muito.


d. I. O circo de cavalinhos que era esperado para março antecipou sua chegada.
   II. O circo de cavalinhos, que era esperado para março, antecipou sua chegada.


2. Numa cidade, os motoristas de ônibus urbanos estavam em greve por melhores salários. Certo dia, um jornal da cidade publicou, a esse respeito, a seguinte manchete:


Motoristas que receberam aumento voltaram ao trabalho.
Uma pessoa lê a notícia e diz a alguém:
“– O jornal está noticiando que a greve dos  motoristas acabou”.
Pergunta-se: essa pessoa interpretou adequadamente o que leu? Explique sua resposta.


3. Qual a diferença de sentido entre as duas frases abaixo?
- Deus, que é bom, é fiel.
- Deus que é bom é fiel.


 4. Transforme o adjetivo em uma oração adjetiva:
a. O professor facilitador ajuda os alunos nos conteúdos.
b. As quatro amigas e o jeans viajante rodaram o mundo!
c. O aluno pensador é diferente do aluno reprodutor de ideias.
d. Todas as pessoas simpatizantes da Língua Portuguesa, por favor, dirijam-se ao teatro!
e. Você é um dos poucos alunos conhecidos (por mim).
f. Homens e mulheres fumantes vivem pouco.
 g. Admiro pessoas esforçadas.


5.Há no período uma oração subordinada adjetiva:
a) Ele falou que compraria a casa.
b) Não fale alto, que ela pode ouvir.
c) Vamos embora, que o dia está amanhecendo.
d) Em time que ganha não se mexe.
e) Parece que a prova não está difícil.

6.Assinale a alternativa que apresenta um período composto onde uma das orações é subordinada adjetiva:
a. “… a nenhuma pedi ainda que me desse fé: pelo contrário, digo a todas como sou”.
b. “Todavia, eu a ninguém escondo os sentimentos que ainda há pouco mostrei.”
c. “… em toda a parte confesso que sou volúvel, inconstante e incapaz de amar três dias um mesmo objeto”.
d. “Mas entre nós há sempre uma grande diferença; vós enganais e eu desengano.”
e. ” - Está romântico!… está  romântico… - exclamaram os três…”

7. Classifique cada oração destacada e marque o item que possui a seqüência correta dessa classificação.
I.       O jovem que se esforça progride.
II.      O livro que li é muito bom.
III.     Teresa, que era personagem principal, morre no final da história.

a)      Restritiva — Explicativa — Explicativa
b)      Restritiva — Restritiva — Explicativa
c)       Explicativa — Restritiva — Restritiva
d)      Explicativa — Explicativa — Restritiva
e)       Restritiva — Explicativa — Restritiva

8. UNIRIO - Assinale o item em que há uma oração adjetiva.

a) Perdão, por Deus, perdão - respondeu o pombo.
b) A pombinha, que era branca sem exagero, arrulhava, humilhada e ofendida com o atraso.
c) Perdeste a noção do tempo?
d) A tarde era tão bonita que eu tinha de vir andando.
e) O pombo caminhava pelo beiral mais alto, do outro lado. Um pouco além, gritavam as gaivotas.


 
9. Suponha que o gerente de uma empresa queira informar a seus clientes, por carta, que o estabelecimento enviará pelo correio os carnês para pagamento.

Indique a interpretação que o cliente daria à informação do diretor, no caso dos seguintes empregos de vírgula:

a) Os clientes, que já são cadastrados, receberão os carnês de pagamento pelo correio.
b) Os clientes que já são cadastrados receberão os carnês de pagamento pelo correio.

10. Classifique as orações destacadas em :
- oração sub. adjetiva restritiva
- oração sub. adjetiva explicativa

a) Os bois da minha fazenda, que contraíram febre aftosa, serão examinados.
b) Os homens, que são seres racionais, exploram os animais.
c) O livro que comprei é bom.
d) Deve-se investir em soluções que resolvam definitivamente os problemas.
e) A neve, que é fria, provocou a morte da vegetação.
f) Meus vizinhos cultivam árvores que dão frutos deliciosos.
 

11. Pontue, grife e classifique as orações subordinadas adjetivas:
a)       A primavera ,que é a estação das flores, começa em setembro.
b)       A primeira operação da SOS foi a de chamar a atenção para a existência da Mata Atlântica , que estava esquecida.
c)       Infeliz é o homem que não age honestamente.
d)       Conversei com o menino que pedia esmolas.
e)       O professor que educa precisa ter vocação
f)        Gosto muito da cidade onde nasci.
g)       Caetano Veloso ,que é um ótimo compositor da MPB, escreveu um livro.
h)       Meu pai ,que havia arrancado três dentesnão pôde viajar naquele dia.
i)         Meus pais, que são meus amigos, compreenderam a situação.
j)         Os alunos que faltaram farão a prova outro dia.



GABARITO



1,a. I.só aquele que se considera racional
    II. todos são homens racionais

b. I. afirma que o irmão mora em Roma
   II. só para aquele irmão que mora em Roma

c. I. só aqueles que gostam de dançar
   II. todos se divertiram muito

d. I. só o circo antecipou
   II.o circo de cavalinhos por alguma razão antecipou

2.Não, porque só os que receberam aumento é que voltaram ao trabalho, não todos.

3- Deus, que é bom, é fiel. – Porque é bom.
- Deus que é bom é fiel.- Qualidade inerente de Deus.

 4. Transforme o adjetivo em uma oração adjetiva:
a. O professor, que facilita, ajuda os alunos nos conteúdos.
b. As quatro amigas e o jeans que viajam, rodaram o mundo!
c. O aluno, que pensa, é diferente do aluno reprodutor de ideias.
d. Todas as pessoas que são simpatizantes da Língua Portuguesa, por favor, dirijam-se ao teatro!
e. Você é um dos poucos alunos que eu conheço.
f. Homens e mulheres, que são fumam, vivem pouco.
 g. Admiro pessoas que se esforçam.

5.Letra D

6. Letra B

7. Letra B

8.Letra B

9.a) porque já são cadastrados  
b)apenas os que são cadastrados

10. a) explicativa  
b) explicativa
c)restritiva
d)restritiva
e)explicativa
f)restritiva

11. Pontue, grife e classifique as orações subordinadas adjetivas:
a)       A primavera ,que é a estação das flores, começa em setembro.- explicativa
b)       A primeira operação da SOS foi a de chamar a atenção para a existência da Mata Atlântica , que estava esquecida. - explicativa
c)       Infeliz é o homem que não age honestamente. - restritiva
d)       Conversei com o menino que pedia esmolas. - restritiva
e)       O professor que educa precisa ter vocação - restritiva
f)        Gosto muito da cidade onde nasci. - restritiva
g)       Caetano Veloso ,que é um ótimo compositor da MPB, escreveu um livro. - explicativa
h)       Meu pai ,que havia arrancado três dentes, não pôde viajar naquele dia. - explicativa
i)         Meus pais, que são meus amigos, compreenderam a situação. - explicativa
j)         Os alunos que faltaram farão a prova outro dia. - restritiva




  









Orações Adjetivas - Teoria





O que é oração subordinada adjetiva?
A oração subordinada adjetiva é aquela que equivale a um adjetivo e desempenha em relação à oração principal a mesma função sintática que um adjetivo desempenharia. Por exemplo:
Admiro pessoas que estudam.
Admiro pessoas estudiosas.


           1. Estrutura da oração subordinada adjetiva

A oração subordinada adjetiva sempre vem introduzida por um pronome relativo: que (de que, em que...), o qual (os quais, a qual, as quais), onde, cujo, quanto.
Na oração principal, existe um substantivo (ou pronome substantivo) que, por anteceder o pronome relativo, recebe o nome de antecedente. A oração subordinada adjetiva coloca-se sempre após esse antecedente, mesmo que precise interromper a oração principal:

O circo de cavalinhos, que era esperado para março, antecipou sua chegada.
 
          2.Classificação das orações subordinadas adjetivas
 
          Podem ser restritivas ou explicativas, dependendo do tipo de relação que a oração subordinada adjetiva estabelece com o termo a que se refere:


Restritiva
Quando restringe ou especifica o sentido do antecedente:

Os brasileiros que são otimistas acreditam no novo plano econômico.

No exemplo acima, a oração adjetiva restringiu os brasileiros a somente aqueles que são otimistas, ou seja, só os otimistas acreditam no novo plano.
Explicativa
Quando não restringe o sentido do antecedente, apenas explicita uma característica dele:

Os brasileiros, que são otimistas, acreditam no novo plano econômico.
Nesse caso, a oração subordinada adjetiva expressa uma característica atribuída aos brasileiros, porém não restringe seu significado. Por essa frase entendemos que todos os brasileiros são otimistas e acreditam no novo plano econômico.

Observe a diferença:

Cortarei os doces que estão me fazendo engordar.

A oração subordinada adjetiva é restritiva, porque indica que só alguns doces serão cortados.

Cortarei os doces, que estão me fazendo engordar.

A oração subordinada adjetiva é explicativa, porque todos os doces serão cortados.
 
 
          3. Pontuação das orações subordinadas adjetivas

As orações subordinadas adjetivas restritivas nunca se separam da oração principal:

"Não havia vozes que amansassem as dores que andavam no coração de seu povo."
(J. Lins do Rego)

 



As orações subordinadas adjetivas explicativas vêm obrigatoriamente separadas da oração principal por meio de vírgulas:
 


"Enquanto faziam isso, Eulália, que desde o despertar não dissera uma única palavra, continuava sentada no chão (...) "
(Érico Veríssimo)

"Passaram a Praia das Castanheiras, que se enchia de banhistas." (Autran Dourado) 
 

Orações Subordinadas Adverbiais - Teoria







                   Estas orações desempenham o papel de adjunto adverbial , podendo exprimir várias circunstâncias.
                   São classificadas de acordo com as circunstâncias que exprimem.,isto é, a ideia que transmitem em relação ao que está expresso na oração principal.
                   Elas se classificam em:

Causais - exprimem a causa daquilo que se declara na OP.
                   Principais conjunções- porque, pois que, já que, visto que...
                   O rio inundou a cidade porque choveu.
                   Como choveu demais, o rio inundou a cidade.

Consecutivas - exprimem um fato que é efeito do que se declara na OP.
                   Conjunções - tão...que, tanto...que, tamanho...que
                   Choveu tanto que o rio inundou a cidade.
                   O rio está tão poluído que não se pode mais pescar.

Condicionais - exprimem a condição para que se realize ou não o fato expresso na OP.
                   Conjunções - se, caso, contanto que, desde que...
                   Se houvesse saneamento básico, haveria menos doenças.
                   Menos pessoas teriam problemas de saúde caso existisse uma melhor distribuição de renda.

Concessivas - indicam que um fato não aconteceu.
                   Conjunções - embora, conquanto, ainda quando, se bem que...
                   Ainda que você implore, não irei.
                   Embora todos saibam do acontecido, ninguém falou.

Comparativas - compara o fato ou o ser em relação à OP.
                   Conjunções - como, tão como, mais que, menos que...
                   Ele tem agido como um menino mimado.
                   Como tem comido muito, o seu peso aumentou consideravelmente.

Conformativas - contêm fatos que concordam com o que se declara na OP.
                   Conjunções - conforme, como, consoante, segundo.
                   Agimos conforme o combinado.
                   Como havíamos combinado, ficamos em silêncio.

Finais - exprimem a finalidade, a intenção do que se declara na OP.
                   Conjunções - a fim de que, para que...
                   Fiz tudo a fim de que eles pudessem vir.
                   Preparamos a casa para que nada pudesse faltar.

Proporcionais - estabelecem relação de gradação com o que se declara na OP.
                   Conjunções - à proporção que, à medida que, ao passo que.
                   À proporção que nos afastávamos, sentíamos mais tristeza.
                   À medida que ele falava, mais triste ela se sentia.

Temporais - localizam no tempo o fato expresso na OP.
                   Conjunções - quando, conquanto, assim que, logo que, sempre que...
                   Quando o encontramos, ele já sabia de tudo.
                   Enquanto discutíamos o assunto, eles tomaram as providências. 

Orações Subordinadas Adverbiais - Exercícios




1. O amor não só traz alegria como também alimenta. Neste período, a conjunção é:
a) subordinativa causal;
b) coordenativa aditiva;
c) coordenativa conclusiva;
d) subordinativa comparativa;
e) conformativa.


2. Numa das frases abaixo, não se encontra exemplo da conjunção anunciada. Assinale-a:
a) subordinativa concessiva -” Conquanto estivesse cansado, concordou em prosseguir”;
b) subordinativa condicional - “Digam o que quiserem contanto que não me ofendam”;
c) subordinativa temporal - “Mal anoiteceu, iniciou-se a festa com grande entusiasmo” ;
d) subordinativa final - “Saiu sem que ninguém percebesse”;
e) subordinativa causal - “Como estou doente, não comparecerei”.


3. Assinale o período em que ocorre a mesma relação significativa existente entre os termos grifados em: “a atividade científica é tão importante quanto qualquer outra atividade econômica”:
a) o rapaz era tão aplicado, que em pouco tempo foi promovido;
b) quanto mais estuda, menos aprende;
c) tenho tudo quanto quero;
d) sabia a lição tão bem como eu;
e) todos estavam exaustos, tanto que se recolheram logo.

4..No período - “Torna-se, portanto, imperativa uma revisão conceitual do modelo presente do processo de desenvolvimento tecnológico de modo a levar em conta o fator cultural como dominante” - a oração grifada traduz:

a) concessão;
b) consequência;
c) comparação;
d) condição;
e) proporção.


5. Assinale a oração em que a substituição da expressão grifada altera sensivelmente o sentido do enunciado:
a) “em lugar de nos conduzirem a desejável autonomia.” / em vez de;
b) “eliminando, assim, seus talentos de processo...” / com isso;
c) “embora muitos estudiosos defendam que a característica...” / conquanto;
d) “pois toda preocupação intelectual do homem não deixa de ser... “ / logo;
e) “no entanto, por causa da situação de dependência cultural ... “ / todavia.

6.No período - “E quanto mais andava mais tinha vontade”, ocorre ideia de proporção.
Assinale a opção em que tal ideia NÃO ocorre:
a) quanto mais leio este autor menos o entendo;
b) choveu tanto, que não pudemos sair;
c) à medida que corria o ano, o nosso trabalho era maior;
d) quanto menos vontade, mais negligência;
e) quanto mais se lê, mais se aprende.


7.Em “Embora ela tivesse sido alta e clara”, a oração exprime:
a) causa;
b) condição;
c) concessão;
d) finalidade;
e) consequência.

8.  “Hoje, a dependência operacional está reduzida, uma vez que o Brasil adquiriu autossuficiência na produção de bens como papel-imprensa (...)” A oração grifada no período acima tem valor:

a) condicional;
b) conclusivo;
c) concessivo;
d) conformativo;
e) causal.
9. “(...) fi-la construir de propósito, levado de um desejo tão particular que me vexa imprimi-lo, mas vá lá.” O vocábulo sublinhado introduz oração que denota:

a) tempo;
b) causa;
c) condição;
d) comparação;
e) consequência.
10. “Tal era a fúria dos ventos, que as copas das árvores beijavam o chão.” Neste período, a oração subordinada é adverbial:

a) concessiva;
b) condicional;
c) consecutiva;
d) proporcional;
e) final.
GABARITO
1-D
6-B
2-D
7-C
3-D
8-E
4-B
9-E
5-D
10-C




Classifique as orações adverbiais:

  1. O tambor soa porque é oco.
  2. A preguiça gasta a vida como a ferrugem consome o ferro.
  3. Por mais que gritasse, não me ouviam.
  4. Se o conhecesses, não os condenarias.
  5. Vim hoje, conforme lhe prometi.
  6. Fazia tanto frio, que meus dedos estavam endurecidos.
  7. Aproximei-me a fim de que me ouvissem melhor.
  8. À medida que se vive, mais se aprende.
  9. Quando os tiranos caem, os povos se levantam.
  10. Ontem estive doente, de modo que não saí.
  11. Parou perplexo como se esperasse um guia.
  12. Não serás bom médico se não estudares muito.
  13. De tal sorte a cidade crescia, que não a reconhecia mais.
  14. Segundo opinam alguns, a história se repete.
  15.  fiz-lhe sinal para que se calasse.
  16. As tuas saudades ficam onde deixas o coração.
  17. Embora tivesse estudado, fui reprovado.
  18. À medida que subimos, o ar se rarefaz.
  19. Eles tinham tanta fome, que devoraram toda a comida.
  20. Se bem que eu não te julgue insensível à arte, admira-me ver-te assim.
  21. Antes que ele volte, resolva o problema.
  22. Como não me atendessem, repreendi-os severamente.
  23. Ama-se ou aborrece-se conforme o coração quer.
  24. Tudo lhe perdoarei, se me amar.
  25. Ainda que implores, não direi sim.
  26. Falou com tanta calma, que todos ficaram atônitos.
  27. Fizeste pouco de nós, porque estavas com a mimi.
  28. Se bem que fosse caro, comprei o relógio.
  29. Era tão mentirosa, que mentia a si próprio.
  30. Quando a vejo, o coração bate mais forte.
  31. Tanto lutaste, que venceste afinal.
  32. Embora vaiado, ele continuou a sua explicação.
  33. Ainda que goste muito de ti, não posso acompanhar-te.
  34. Como não se incomoda, chamo-o pelos dois nomes.
  35. Desde que aceites as condições, lavrarei o contrato.
  36. Mal os avistou, pôs-se a correr.
  37. Gosto de contemplá-lo quando está zangado.
  38. O lavrador volta para casa quando o sol se põe.
  39. Não compareceu à reunião porque estava doente.
  40. Dirigia devagar a fim de que pudéssemos olhar a paisagem.
  41. Tudo saiu conforme o previsto.
  42. Iremos à praia amanhã, se fizer bom tempo.
  43. Conseguiu uma ótima classificação, embora não fosse inteligente.
  44. O investigador foi mais esperto que o ladrão.
  45. À medida que envelhecemos, adquirimos mais experiência.
  46. Estava tão frio que tremíamos.
  47. Não comprou o presente, porque o dinheiro estava escasso.
  48. Tal era a simpatia da recepcionista, que cativou a todos.
  49. Quando descreveres o quadrúpede, coloca entre ele alguns homens.
  50. Tudo aconteceu como prevíamos.
  51. As coisas raramente saem como planejamos.
  52. Consoante afirmam alguns, a história se repete.
  53. Ainda que implores, não te direi nada.
  54. Desce para que eu te abrace.
  55. Quando enferruja, o ferro aumenta de peso.
  56. Doente tem estado ela, desde que aqui chegou.

                  

Gabarito:

1.    Causal
2.    Comparativa
3.    Concessiva
4.    Condicional
5.    Conformativa
6.    Consecutiva
7.    Final
8.    Proporcional
9.    Temporal
10.  Causal
11.  Comparativa
12.  Condicional
13.  Consecutiva
14.  Proporcional
15.  Final
16.  Temporal
17.  Concessiva
18.  Proporcional
19.  Consecutiva
20.  Concessiva
21.  Temporal
22.  Causal
23.  Conformativa
24.  Condicional
25.  Concessiva
26.  Consecutiva
27.  Causal
28.  Concessiva
29.  Consecutiva
30.  Temporal
31.  Consecutiva
32.  Concessiva
33.  Concessiva
34.  Causal
35.  Condicional
36.  Temporal
37.  Temporal
38.  Temporal
39.  Causal
40.  Final
41.  Conformativa
42.  Condicional
43.  Concessiva
44.  Comparativa
45.  Proporcional
46.  Consecutiva
47.  Causal
48.  Consecutiva
49.  Temporal
50.  Conformativa
51.  Conformativa
52.  Conformativa
53.  Concessiva
54.  Final
55.  Temporal
56.  Temporal


  

Orações Substantivas - Teoria




As orações subordinadas substantivas exercem função sintática própria do substantivo. São geralmente introduzidas por conjunções integrantes, como QUE e SE.

Ex: Interessa-me       que você compareça.
      oração principal       oração subordinada substantiva



Classificação das orações subordinadas substantivas

As orações subordinadas substantivas podem funcionar como:

- SUBJETIVA:
 funciona como sujeito do verbo da oração principal. O verbo da oração principal se apresenta sempre na terceira pessoa do singular e nessa não há sujeito, o sujeito é a oração subordinada.
Ex: É necessário 
que se estabeleça regras nesta empresa.

- OBJETIVA DIRETA:
 exerce a função de objeto direto do verbo da oração principal. Está sempre ligada a um verbo da oração principal, sem auxílio de preposição, indicando o alvo sobre o qual recai a ação desse verbo.
Ex: Quero saber 
como você chegou aqui. 

- OBJETIVA INDIRETA:
 funciona como objeto indireto do verbo da oração principal. Está sempre ligada a um verbo da oração principal, com auxílio de preposição, indicando o alvo do processo verbal.
Ex: Mariana lembrou-se 
de que Manoel chegaria mais tarde.

- COMPLETIVA NOMINAL:
 funciona como complemento nominal de um nome da oração principal. Está sempre ligada a um nome da oração principal através de preposição.
Ex: Tenho certeza 
de que não há esperanças. 

-PREDICATIVA:
 funciona como predicado do sujeito da oração principal. Está sempre ligada ao sujeito da oração principal através de verbo de ligação.
Ex: Minha vontade é 
que encontres o teu caminho. 

- APOSITIVA:
 funciona como aposto de um nome da oração principal. Está sempre ligada a um nome da oração principal, sem o uso de preposição e sem mediação de verbo de ligação.
Ex: Faço apenas um pedido: que você nunca abandone os seus princípios.


Orações subordinadas substantivas reduzidas

As orações subordinadas podem ser reduzidas de infinitivo, de gerúndio e de particípio. As subordinadas substantivas só podem ser reduzidas de infinitivo.
As orações reduzidas são classificadas de acordo com sua função no período. Assim:

É recomendável os alunos assistirem à palestra. 
                            
oração subordinada substantiva subjetiva reduzida de infinitivo

Imaginava não ser classificado para as finais.
oração subordinada substantiva objetiva direta reduzida de infinitivo


  

Orações Substantivas - Exercícios



1. (F. TIBIRIÇA-SP) No período "Penso, logo existo", oração em destaque é:
a) coordenada sindética conclusiva
b) coordenada sindética aditiva
c) coordenada sindética alternativa
d) coordenada sindética adversativa
e) n.d.a

2. (FCE-SP) "Os homens sempre se esquecem de que somos todos mortais." A oração destacada é:
a) substantiva completiva nominal
b) substantiva objetiva indireta
c) substantiva predicativa
d) substantiva objetiva direta
e) substantiva subjetiva

3. (FEI-SP) "Estou seguro de que a sabedoria dos legisladores saberá encontrar meios para realizar semelhante medida." A oração em destaque é substantiva:
a) objetiva indireta
b) completiva nominal
c) objetiva direta
d) subjetiva
e) apositiva

4. (UC-MG) Há oração subordinada substantiva apositiva em:

a. Na rua perguntou-lhe em tom misterioso: onde poderemos falar à vontade?
b. Ninguém reparou em Olívia: todos andavam como pasmados.
c. As estrelas que vemos parecem grandes olhos curiosos.
d. Em verdade, eu tinha fama e era valsista emérito: não admira que ela me preferisse.
e. Sempre desejava a mesma coisa: que a sua presença fosse notada.

5. (UF-PA) Qual o período em que há oração subordinada substantiva predicativa?
a) Meu desejo é que você passe nos exames vestibulares.
b) Sou favorável a que o aprovem.
c) Desejo-te isto: que sejas feliz.
d) O aluno que estuda consegue superar as dificuldades do vestibular.
e) Lembre-se de que tudo passa nesse mundo.

6. (UF-PA) Há no período uma oração subordinada adjetiva:
a) Ele falou que compraria a casa.
b) Não fale alto, que ela pode ouvir.
c) Vamos embora, que o dia está amanhecendo.
d) Em time que ganha não se mexe.
e) Parece que a prova não está difícil.

7. (PUC) Nos trechos: "... não é impossível que a notícia da morte me deixasse alguma tranqüilidade, alívio e um ou dois minutos de prazer" e "Digo-vos que as lágrimas eram verdadeiras". A palavra "que" está introduzindo, respectivamente, orações:
a. subordinada substantiva subjetiva, subordinada substantiva objetiva direta
b. subordinada substantiva objetiva direta, subordinada substantiva objetiva direta
c. subordinada substantiva subjetiva, subordinada substantiva predicativa
d. subordinada substantiva completiva nominal, subordinada adjetiva explicativa
e. subordinada adjetiva explicativa, subordinada substantiva predicativa

8. (PUC) Assinale a alternativa que apresenta um período composto onde uma das orações é subordinada adjetiva:
a. "... a nenhuma pedi ainda que me desse fé: pelo contrário, digo a todas como sou".
b. "Todavia, eu a ninguém escondo os sentimentos que ainda há pouco mostrei."
c. "... em toda a parte confesso que sou volúvel, inconstante e incapaz de amar três dias um mesmo objeto".
d. "Mas entre nós há sempre uma grande diferença; vós enganais e eu desengano."
e. " - Está romântico!... está romântico... - exclamaram os três..."

9. (F. TIBIRIÇA-SP) No período "Todos tinham certeza de que seriam aprovados", a oração destacada é:
a) substantiva objetiva indireta
b) substantiva completiva nominal
c) substantiva apositiva
d) substantiva subjetiva
e) n.d.a

10. (UFSCAR) Marque a opção que contém oração subordinada substantiva completiva nominal:
a. "Tanto eu como Pascoal tínhamos medo de que o patrão topasse Pedro Barqueiro nas ruas da cidade."
b. "Era preciso que ninguém desconfiasse do nosso conluio para prendermos o Pedro Barqueiro."
c. "Para encurtar a história, patrãozinho, achamos Pedro Barqueiro no rancho, que só tinha três divisões: a sala, o quarto dele e a cozinha."
d. "Quando chegamos, Pedro estava no terreiro debulhando milho, que havia colhido em sua rocinha, ali perto."
e. "Pascoal me fez um sinalzinho, eu dei a volta e entrei pela porta do fundo para agarrar o Barqueiro pelas costas."

GABARITO
1. A
2. B
3. B
4. E
5. A
6. D
7. A
8. B
9. B