NO INICIO DO BLOG

25 de julho de 2017

BOM REVER ESSA POSTAGEM

O texto dissertativo-argumentativo 

Vale ressaltar que não se trata de uma regra a ser seguida, mas apenas de uma dica que pode ser totalmente ou em partes aproveitada.



 PRIMEIRO PASSO: entenda bem o tema da redação.

  • Faça perguntas relacionadas ao assunto.
  • Faça um “brainstorming”, mas sozinho: coloque seu conhecimento de mundo em ação. 

  • Pense no problema relacionado a esse tema: toda proposta de redação do ENEM terá um problema que precisa ser solucionado. Pense nesse problema, em suas causas e em sua solução
    • É interessante responder a perguntas como:
    >> Qual é o problema?
    >> Por que é um problema?
    >> Quais as causas desse problema?
    >> Qual a solução para esse problema?
    >> Por que essa solução deveria ser colocada em prática?
    >> Como essa solução resolveria o problema?

    Vamos usar como exemplo uma redação sobre o seguinte tema:
    MOBILIDADE URBANA



     >>> Comece fazendo perguntas: 

    • O que é mobilidade urbana? 
    • Quando se pensa em mobilidade urbana no Brasil, quais problemas podem ser apontados?
    • Quais as causas desses problemas? 
    • Como fazer para resolver esses problemas?
    • Como essa solução resolveria os problemas?

    É nesse momento que se faz o “brainstorming”
     

    >> O que é mobilidade urbana?
    Vou colocar alguns tópicos que me ajudarão a formar a ideia completa:
    • Infraestrutura das cidades 
    • Meios de transporte
    • Transporte coletivo
    • Deslocamento de pessoas

    >> Quando se pensa em mobilidade urbana no Brasil, quais problemas podem ser apontados?
    A questão da mobilidade urbana no Brasil é um problema. Por quê?
    Em tópicos:
    • Excesso de veículos
    • Congestionamentos
    • Transporte coletivo precário
    • Atrasos
    • Estresse
    • Poluição
    • Acidentes

    >> Quais as causas desse problema?

    Novamente vou colocar alguns tópicos:
    • Falta de planejamento urbano
    • Pouco espaço/incentivo para transporte alternativo, como bicicletas.
    • Pouco investimento em transporte coletivo eficaz.

    >> Como fazer para resolver esse problema?

    Vou listar algumas possibilidades:
    • Investimento em infraestrutura: reestruturação das vias públicas, construção/ampliação de ciclovias.
    • Incentivo ao transporte alternativo, como bicicletas.
    • Investimento em transporte coletivo mais eficaz.

    >> Como essa solução resolveria o problema?

    Transporte coletivo eficaz faz com que o indivíduo possa deixar o carro em casa para se deslocar pela cidade.

    Se houver condições estruturais e segurança para o uso de bicicletas, por exemplo, o incentivo a esse meio de transporte alternativo poderá surtir algum efeito. 


    OBSERVAÇÃO: Quanto mais criativa a solução, maiores as chances de a redação ser bem avaliada. Dessa forma, é importante pensar em uma proposta inovadora, que não seja óbvia demais. Esse é o desafio!



    SEGUNDO PASSO: vamos construir a redação:


    INTRODUÇÃO: (primeiro parágrafo da redação)


    • A introdução deve ter o seguinte:
                 >> Apresentação do tema
             |   >> O problema
                 >> A tese (é o que se pretende defender no texto) 


    Vejamos o exemplo:



    >>> O tema é mobilidade urbana: vou colocar uma definição e explicar por que se trata de um problema.

    (veja que já pensei sobre isso quando estava “entendendo o tema”)





    >>> A tese é o que eu pretendo defender, é o objetivo do meu texto. Como estou fazendo uma redação “modelo ENEM”, vou apontar aqui para a solução do problema.

    Atenção:  
    Não vou abordar a proposta de intervenção no primeiro parágrafo do texto, mas vou apontá-la como tese, como objetivo da redação. No final do texto vou desenvolver essa proposta e estabelecer uma ligação clara da conclusão com a introdução.
    A ideia é a seguinte:
    O tema da redação é um problema e meu objetivo é resolvê-lo.
    (objetivo da redação = tese = solução para o problema). 
    Eu proponho uma solução, desenvolvo o texto explicando por que esse problema precisa ser solucionado e, no final, desenvolvo essa proposta e mostro como ela resolveria o problema.

    >>> Voltando à redação sobre mobilidade urbana:

    TESE 
      

     E preciso criar condições de o brasileiro deixar o carro em casa para se locomover pela cidade.


    >>> Vejamos, então, o primeiro parágrafo inteiro:




    >>> Observe que o parágrafo de introdução contém a apresentação do assunto, o problema e a tese.
        


      DESENVOLVIMENTO: (no mínimo dois parágrafos)
      • É importante planejar o desenvolvimento do texto.  Pense na relação entre os argumentos: 

        >> A ideia será somar os argumentos?
        >> A ideia será contrapor argumentos: aspectos negativos e positivos, por exemplo? 
        >> Os argumentos serão as causas e as consequências do problema?


        • A relação entre os argumentos dependerá do tema. Há aqueles que permitem contraposição de ideias, outros não.

           
        Vamos aplicar isso ao exemplo:



        >>> Em relação ao tema “mobilidade urbana”, escolhi somar ideias que defendem minha tese:

        TESE 
          

         E preciso criar condições de o brasileiro deixar o carro em casa para se locomover pela cidade.


        >>> Para selecionar os argumentos, é possível fazer o seguinte raciocínio:
        Eu pretendo defender a tese tal por causa disso (1) e por causa disso (2).
        Disso (1) = argumento 1
        Disso (2) = argumento 2

        >>> Faço, então, o seguinte:
        Pretendo defender a ideia de que é preciso criar condições de o brasileiro deixar o carro em casa para se locomover pela cidade por causa DISSO (1) e por causa DISSO (2).
        DISSO (1) = falta de infraestrutura + excesso de veículos = congestionamentos – atrasos – poluição – problemas de saúde. (argumento 1)
        DISSO (2) = falta de transporte coletivo eficaz. (argumento 2)


        >>> Vamos começar pelo argumento 1: 



        ARGUMENTO 1 = falta de infraestrutura + excesso de veículos = congestionamentos – atrasos – poluição – problemas de saúde.
         
        >> Vou fazer um tópico frasal, isto é, uma frase que sintetiza meu argumento:
        >> Veja que o foco principal do meu argumento é o excesso de veículos
        >> Agora, vou desenvolver o tópico frasal e transformar as ideias em um texto coerente e coeso:
        >> Para fechar o parágrafo, vou relacioná-lo à tese, ao que estou defendendo em meu texto:
        Observação: você pode optar por expressões como "dessa forma", "nesse sentido", "assim", "portanto" etc para iniciar a frase que irá relacionar a tese ao argumento.


        >>> Agora vamos desenvolver o argumento 2:


        ARGUMENTO 2 = falta de transporte coletivo eficaz.
        >> Novamente vou fazer um tópico frasal, isto é, uma frase que sintetiza meu argumento:
        >> Veja que o foco principal desse meu argumento é a ineficiência do transporte coletivo.
        >> Agora, vou desenvolver o tópico frasal e transformar as ideias em um texto coerente e coeso:
        >> Para fechar o parágrafo, vamos relacioná-lo à tese, ao que estou defendendo em meu texto:
        Observação: veja que a expressão "portanto" foi usada no início da frase que relaciona a tese a esse segundo argumento.
        >>> É importante relacionar meus argumentos. Veja que eu estou somando ideias, por isso devo inserir uma expressão que explicite essa soma. No segundo parágrafo, posso iniciar o argumento com uma expressão como “além disso”:



           

        CONCLUSÃO: (último parágrafo)
          
        • Volte ao tema/problema. 
        • Apresente uma solução para o problema (proposta de intervenção).
        • Reafirme a tese apresentada na introdução.


        Vejamos o exemplo:



        >>> No último parágrafo eu volto ao problema da mobilidade urbana:



        >>> Desenvolvimento da solução para o problema (proposta de intervenção) 


          >>> Reafirmação da tese:




        Vejamos, agora, a redação completa:

          

        24 de julho de 2017

        ARTIGO CIENTÍFICO

        METODOLOGIA DE ARTIGO CIENTÍFICO

        Aprenda a fazer um artigo científico.


        Para a elaboração do artigo científico, é necessário seguir orientações conforme adaptação das Normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas para Trabalhos Acadêmicos NBR`s 6022/1994, 6023/2002 e 10520/2002.
        1. Tipo de fonte ARIAL.
        2. Papel formato A4: 210mm X 297mm.
        3. Margens:
        3.1 Superior 3cm;
        3.2 Inferior 2cm;
        3.3 Esquerda 3cm;
        3.4 Direita 2cm.
        4. Espacejamento: entre linhas e entre parágrafos é 1,5;
        5. Parágrafos: justificados;
        6. Numeração de páginas: no canto superior direito iniciando na introdução do trabalho;
        7. Estruturas de parágrafos: iniciar sempre o parágrafo com uma tabulação para indicar o início (apor um recuo no começo do parágrafo).
        8. Tamanho da fonte:
        8.1 No título do artigo (em letras maiúsculas) = 12;
        8.2 No nome do(s) autor(es) = 10;
        8.3 Na titulação (nota de rodapé) 10;
        8.4 No resumo = 10;
        8.5 Nas palavras-chave = 12;
        8.6 Na redação do texto (introdução, desenvolvimento e conclusão) = 12;
        8.7 Nas citações longas = 10
        8.8 Nas referências = 12.
        9. Citação:
              9.1 Destacar a fonte em negrito itálico, quando citação breve de até três linhas no mesmo parágrafo;
              9.2 Utilizar um recuo maior do parágrafo, quando citação longa, com tamanho da fonte       9.3 Atentar para NBR 10520/2002;
              9.4 Apor o sobrenome do autor, ano da publicação da obra e número da página. 
        10. Aplicar espaço simples no parágrafo (não é necessário negrito nem itálico) no parágrafo;

        Título do Artigo (Modelo de estrutura)

        (APOR O NOME DO TEMA ABORDADO; CENTRALIZADO EM LETRAS MAIÚSCULAS; TAMANHO DA FONTE 12)
        Apor dois espaços 1,5
         Resumo: elaborar um resumo para convidar o leitor para a leitura do artigo, um parágrafo estruturado de cinco a dez linhas, sobre o tema indicando os objetivos do estudo desenvolvido com espaço entre linha simples; tamanho da fonte 10; com parágrafo justificado.

        Apor dois espaços 1,5

        Palavras-chave: escolher entre três e cinco palavras importantes sobre o tema que foi desenvolvido, e apor como palavras-chave do artigo (fonte 12; espaço entre linhas 1,5; parágrafo justificado).

        Apor dois espaços 1,5

        Iniciar a redação sobre o tema com estruturação de parágrafos, introdução, desenvolvimento e conclusão de forma clara e ortograficamente correta. (tamanho da fonte 12; espaço entre linhas 1,5; parágrafos justificado).

        Apor dois espaços 1,5

        Iniciar em ordem alfabética as Referências, conforme modelo e adaptação da NBR 6023/2002.
        O artigo é uma pequena parcela de um saber maior, cuja finalidade, de um modo geral, é tornar pública parte de um trabalho de pesquisa que se está realizando. São pequenos estudos, porém completos, que tratam de uma questão verdadeiramente científica, mas que não se constituem em matéria para um livro.

        Estrutura do Artigo

        1. PRELIMINARES

        - Cabeçalho – Título (subtítulo) do trabalho
        - Autor(es)
        - Crédito dos autores (formação, outras publicações)

        2. RESUMO DO TEXTO

        3. PALAVRAS-CHAVE

        4. CORPO DO ARTIGO

        - Introdução – apresentação do assunto, objetivos, metodologia
        - Corpo do Artigo – texto, exposição, explicação e demonstração do material; avaliação dos resultados
        - Conclusões e comentários – dedução lógica

        5. PARTE REFERENCIAL

        - Referências bibliográficas
        - Apêndices ou anexos

        Obs. O Artigo Científico requisitado pelo curso de Psicanálise à Distância do CAEEP deve conter entre 3 a 4 páginas, no máximo. Deve ser redigido em fonte arial 12.

        Referências:

        D’ONOFRIO, Salvatore. Metodologia do trabalho intelectual. 2a.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

        LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 4a. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

        SANTOS, Antônio Raimundo dos. Metodologia científica: a construção do conhecimento. 4a.. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001

        Finalidade de um Artigo Científico

        ·                     Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. 
        ·                     Servir de medida da produtividade (qualitativa e quantitativa) individual dos autores e das intituições a qual servem. 
        ·                     Servir de medida nas decisões referentes a contratação, promoção e estabilidade no emprego.
        ·                     É um bom veículo para clarificar e depurar suas idéias.
        ·                     Um artigo reflete a análise de um dado assunto, num certo período de tempo.
        ·                     Serve de meio de comunicação e de intercâmbio de idéias entre cientistas da sua área de atuação. 
        ·                     Levar os resultados do teste de uma hipótese, provar uma teoria (tese, trabalho científico).
        ·                     Registrar, transmitir algumas observações originais.
        ·                     Servir para rever o estado de um dado campo de pesquisa.
          
        ARTIGOS DE PERIÓDICO

        Artigos de periódico são trabalhos técnico-científicos, escritos por um ou mais autores, com a finalidade de divulgar a síntese analítica de estudos e resultados de pesquisas. Formam a seção principal em periódicos especializados e devem seguir as normas editoriais do periódico a que se destinam.
        Os artigos podem ser de dois tipos:
        a) originais, quando apresentam abordagens ou assuntos inéditos;
        b) de revisão, quando abordam, analisam ou resumem informações já publicadas.

        ESTRUTURA

        A estrutura de um artigo de periódico é composta de elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais.

        1. ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

        1.1 Cabeçalho
        O cabeçalho é composto de:
        a) título do artigo, que deve ser centralizado e em negrito;
        b) nome do(s) autor(es), com alinhamento à direita;
        c) breve currículo do(s) autor(es), a critério do editor, que pode aparecer no cabeçalho ou em nota de rodapé.

        1.2 Agradecimentos
        Agradecimentos são menções que o autor faz a pessoas ou instituições das quais eventualmente recebeu apoio e que concorreram de maneira relevante para o desenvolvimento do trabalho. Os agradecimentos aparecem em nota de rodapé na primeira página do artigo ou no final deste.

        1.3 Resumo
        Resumo é a apresentação concisa do  texto, destacando seus aspectos de maior relevância.
         Na elaboração do resumo, deve-se:
        a) apresentar o resumo precedendo o texto, e escrito na mesma língua deste;
        b) incluir obrigatoriamente um resumo em potuguês, no caso de artigos em língua estrangeira publicados em periódicos brasileiros;
        c) redigir em um único parágrafo, em entrelinhamento menor, sem recuo de parágrafo;
        d) redigir com frases completas e não com seqüência de títulos;
        e) empregar termos geralmente aceitos e não apenas os de uso particular;
        f) expressar na primeira frase do resumo o assunto tratado, situando-o no tempo e no espaço, caso o título do artigo não seja suficientemente explícito;
        g) dar preferência ao uso da terceira pessoa do singular;
        h) evitar o uso de citações bibliográficas;
        i) ressaltar os objetivos, os métodos, os resultados e as conclusões do trabalho;
        l) elaborar o resumo com, no máximo, 250 palavras.
        O resumo é denominado abstract, em inglês, resumen, em espanhol, résumé, em francês, riassunto, em italiano e Zusammenfassung em alemão. Não deve ser confundido com o sumário.

        MODELO DE PRIMEIRA PÁGINA DE ARTIGO (EXEMPLO)


        QUALIDADE NA SEGURANÇA DO ACERVO NA BIBLIOTECA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – ESTUDO DE CASO

        Angela Pereira de Farias Mengatto1
        Eliane Maria Stroparo1
        Eutália Cristina do Nascimento Moreto1
        Luzia Glinski2
        Sílvia Dambroski Marcon2
        Tania de Barros Bággio1

        RESUMO

        Demonstra a experiência de implantação do Sistema de Segurança “3M Tatte-Tape” na Biblioteca de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal do Paraná. Através da metodologia aplicada constatou-se que houve redução significativa da perda de livros e nos custos, sendo necessário, porém, a adoção de outras medidas, para que se possa estabelecer um nível satisfatório no item “Qualidade na Segurança do Acervo”.

        Palavras-chave:  Livros – Furto; Bibliotecas – Furto de livros, Bibliotecas – Medidas de segurança.

        1   INTRODUÇÃO

                 Este trabalho propõe-se a relatar a experiência de implantação de um sistema de segurança na Biblioteca de Ciência e Tecnologia (BCT), integrante do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Instalada em 1965, a biblioteca atende atualmente a treze cursos de graduação e onze de pós-graduação, possuindo um acervo de 49.216 volumes de livros e 3.636 títulos de periódicos e multimeios.
        __________________ 
          1 Bibliotecária do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Paraná – UFPR.
         2 Bibliotecária Autônoma.


        Inf. 2000, Curitiba, v.1, n.1, p.12-27. jan./jun. 1999
        fonte: http://www.paratexto.com.br


        1.4 Palavras-chave
        Descritores (ou palavras-chave) são termos ou frases representativas dos assuntos tratados no artigo, apresentados em uma relação de até sete palavras, e que aparecem obrigatoriamente depois do resumo, precedidos da expressão Palavras-chave.
        Recomenda-se a consulta a tesaur de áreas específicas.


             2. ELEMENTOS TEXTUAIS

        São os elementos que compõem o texto do artigo. Dividem-se em introdução, desenvolvimento e conclusão.
        2.1 Introdução
        A introdução expõe o tema do artigo, relaciona-o com a literatura consultada, apresenta os objetivos e a finalidade do trabalho. Trata-se do elemento explicativo do autor para o leitor.
        2.2 Desenvolvimento ou Corpo
        O desenvolvimento ou corpo, como parte principal e mais extensa do artigo, visa a expor as principais idéias. É, em essência, a fundamentação lógica do trabalho.
        Dependendo do assunto tratado, existe a necessidade de se subdividir o desenvolvimento nas etapas que seguem.
        2.2.1 Metodologia
        Metodologia é a descrição precisa dos métodos, materiais, técnicas e equipamentos utilizados. Deve permitir a repetição do experimento ou estudo com a mesma exatidão por outros pesquisadores.
        2.2.2 Resultados
        Resultados são a apresentação dos dados encontrados na parte experimental. Podem ser ilustrados com quadros, tabelas, fotografias, entre outros recursos.
        2.2.3 Discussão
        Restringe-se aos resultados do trabalho e ao confronto com dados encontrados na literatura.
        2.3 Conclusão
        A conclusão destaca os resultados obtidos na pesquisa ou estudo. Deve ser breve, podendo incluir recomendações ou sugestões para outras pesquisas na área.


        3. ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO

        3.1 Citações
        Citação é a menção no texto de informação extraída de outra fonte para esclarecer, ilustrar ou sustentar o assunto apresentado.
        Devem ser evitadas citações referentes a assuntos amplamente divulgados, rotineiros ou de domínio público, bem como aqueles provenientes de publicações de natureza didática, que reproduzem de forma resumida os documentos originais, tais como apostilas e anotações de aula.
        As citações são diretas (transcrição literal de um texto ou parte dele) ou indiretas (redigidas pelo autor do trabalho com base em idéias de outros autores) e podem ser obtidas de documentos ou de canais informacionais (palestras, debates, conferências, entrevistas, entre outros). As fontes de que foram extraídas as citações são indicadas no texto pelo sistema da ABNT.

        3.2 Notas de Rodapé
        Notas de rodapé são indicações bibliográficas, observações ou aditamentos ao texto feitos pelo autor, tradutor ou editor.

        VERBOS, AHHHHHHHHHHH


        Os verbos chamados regulares não apresentam grandes dificuldades na hora da conjugação, mas os chamados irregulares podem apresentar irregularidades (desculpem a redundância) de diferentes tipos, o que permite que os agrupemos pelas similaridades nessas alterações de padrão.
        Um verbo é considerado irregular quando apresenta mais do que um radical ou quando não recebe a desinência ‘padrão’ de uma determinada pessoa.
        Relembrando: radical é o elemento formador da palavra que carrega seu significado. No caso dos verbos, ao radical será acrescentada a vogal temática (que indicará se ele pertence à 1ª, à 2ª ou à 3ª conjugação), uma desinência modo-temporal (que caracteriza em que tempo – presente, pretérito, futuro – de qual modo – indicativo, subjuntivo, imperativo – ele está conjugado) e, por fim, uma desinência número-pessoal (que indicará se está conjugado na 1ª, 2ª ou 3ª pessoa, do singular ou do plural)
        A irregularidade pode ocorrer tanto no radical quanto na flexão dos verbos.
        A primeira conjugação (= verbos terminados em –ar) é a que apresenta maior número de verbos, entretanto apresenta o menor número de casos de verbos irregulares.
        Os verbos terminados em –ear pertencem à primeira conjugação e são um exemplo de um grupo com um padrão específico de irregularidade: todos recebem a vogal i depois do e nas formas rizotônicas (os que apresentam a sílaba tônica no radical).
        Para entendermos melhor: a semivogal “i” forma com o “e” do radical um ditongo, o núcleo da sílaba tônica, nas três pessoas do singular e na terceira do plural do presente do indicativo e do subjuntivo e na segunda pessoa do singular do imperativo afirmativo (aquelas provenientes do presente do indicativo, sem o -s; lembrando que o imperativo negativo é idêntico ao presente do subjuntivo). Confira o exemplo do verbo CEAR:

        • Presente do indicativo
          eu ceio (vejam o I “intruso”)
          tu ceias
          ele ceia
          nós ceamos (o intruso foi embora)
          vós ceais
          eles ceiam

        • Presente do subjuntivo
          que eu ceie
          que tu ceies
          que ele ceie
          que nós ceemos (sem o I)
          que vós ceeis (idem)
          que eles ceiem

        • Imperativo afirmativo

          ceia tu
          ceie você
          ceemos nós
          ceai vós
          ceiem vocês
        Essa mesma alteração, esse acréscimo da vogal ‘i’, vai ocorrer nos demais verbos que apresentam a mesma terminação. Veja outros exemplos de verbos terminados em –ear: cercear, enfrear, desenfrear, falsear, frear, golear, ladear, marear, nomear, nortear, passear, refrear, sapatear.
        É necessário também tomar cuidado com os casos de parônimos (palavras de grafia parecida, porém significado diferente). Observe a lista abaixo:
        • afear (relacionado com feio) e afiar (relacionado com fio)
        • enfrear (relacionado com freio) e enfriar (com frio)
        • estear (relacionado com esteio) e estiar (relacionado com estio, estiagem)
        • estrear (relacionado com estreia – sem acento após o Acordo ortográfico) e estriar (relacionado com estria)
        • mear (relacionado com meio) e miar (relacionado com miado)

        23 de julho de 2017

        LER - LER - LER

        Qualquer gênero textual que uma pessoa escreva ou fale tem que passar, religiosamente, por um arsenal arquitetônico na mente ou no papel, construindo com os tijolos, cal e areia das palavras a estrutura que será as suas frases, as suas ideias, a sua essência, ou seja, a sua base comunicacional.
        Numa prova de redação, por exemplo, terror dos vestibulandos, o primeiro passo ao elaborar um texto é ler e interpretar o enunciado. Ninguém pode começar a escrever sem entender bem a proposta do que está sendo solicitado. Por isso, ler uma, duas ou três vezes é fundamental para que não se fuja do tema pedido.
        Depois desse início, há a necessidade de ter uma opinião sobre a ideia núcleo, o tema. É importante saber algo sobre o assunto, ter referências sobre ele. A respeito desse quesito, sairá sempre na frente dos demais aqueles que forem leitores do mundo, da realidade, pois saberão abordar temas que lhes são comuns.
        O terceiro passo é elencar tudo o que vem à cabeça sobre o assunto. Fatos, exemplos, dados, estatísticas, argumentos, servirão de apoio para a elaboração do texto como um todo. Separando tudo o que vem à mente, ficará fácil escolher as melhores elucubrações, os melhores conceitos, a melhor estratégia.
        Os três passos iniciais podem ser feitos apenas com a leitura do tema. Passada essa série, elabora-se a introdução do texto, que, no caso de uma dissertação-argumentativa, será composta com o tema, sob a perspectiva que se quer adotar (chamada também de tese), acrescido dos argumentos (apenas mencionados) que serão trabalhados nos parágrafos seguintes.
        Finda a introdução, sem pular etapas, elabora-se o desenvolvimento. Cada argumento citado na introdução será discutido em seu parágrafo específico. Aqui, algumas ideias que foram selecionadas no terceiro passo serão aproveitadas para fundamentar o argumento. Esse é o momento que o redator tem à sua frente para dizer tudo o que sabe sobre os tópicos ambicionados, justificar o seu posicionamento, amparar as suas argumentações.
        A sexta e penúltima etapa é elaborar a conclusão, para alguns a parte mais preciosa do texto. Como todo texto dissertativo deve ser cíclico, é interessante aqui retomar a tese debatida na introdução, já agora fundamentada pelo desenvolvimento. Para finalizar, seria interessante o redator acrescentar uma observação final, que poderia ser crítica(s) ou solução(ões) para o problema que está sendo enfocado.
        Por fim, o último estágio deve ser feito com carinho e muito cuidado: revisar, corrigir o que se escreveu. É muito difícil para quem redige enxergar os próprios erros, principalmente com um texto que é feito assim de chofre, para ser entregue logo, dispondo de apenas uma hora ou duas para a sua feitura. A dica é rascunhá-lo e deixá-lo respirar, desapegar-se dele, desapaixonar-se da sua criação, indo, talvez, fazer outra prova, se for o caso. Numa segunda leitura, a visão já será um pouco mais distanciada e, com certeza, poderá ter maior possibilidade de ver os deslizes.
        Escrever não é uma arte para iniciados, tampouco é motivado através da inspiração das musas, do vinho ou dos deuses. É, sim, trabalho de transpiração do redator. Ler é fundamental para que se tenha visão global de mundo, saiba falar sobre variados tópicos, melhore o vocabulário, etc. E a prática – sentar e escrever, corrigir e reescrever – é extremamente necessária para se desenvolver a palavra escrita.