No inicio do blog

1 de dezembro de 2016

ANÁLISE DO TEMA DE REDAÇÃO DE 2016 - REVENDO

Análise de Tema da Redação do Vestibular FUVEST 2016


No último dia 10 de janeiro  de 2016 começou a ser aplicada a 2ª fase do vestibular da Universidade de São Paulo (USP), promovido pela Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST) e a primeira prova foi de Língua Portuguesa, Literatura e Redação, cuja proposta teve como tema “As utopias: indispensáveis, inúteis ou nocivas?”.
No vestibular 2016, a FUVEST deixou um pouco de lado as questões sociais (embora elas possam ser relacionadas a esse tema) e abordou uma questão de cunho filosófico, causando surpresa em boa parte dos candidatos e dos professores de Português.
A coletânea da proposta apresentou seis textos que, por sua vez, contemplaram vários aspectos, positivos e negativos, das utopias. Tais opiniões deveriam ser lidas com muita atenção pelos candidatos, já que o comando do tema sugere três opções sobre as utopias: se elas são indispensáveis, inúteis ou nocivas. Dependendo do argumento principal, o candidato deveria selecionar determinados textos da coletânea.
Deste modo, é essencial que o candidato à FUVEST tomasse uma posição acerca das utopias e argumentasse a favor da sua opinião, deixando claro se pensa que as utopias são indispensáveis, inúteis ou nocivas e por quê.
primeiro texto da coletânea, um verbete, define o que é utopia e lembra que Thomas More publicou, há 500 anos, um livro intitulado Utopia (1516) no qual relata a vida em uma ilha fictícia chamada Utopia onde a propriedade privada e a intolerância religiosa foram eliminadas a fim de se viver em uma sociedade harmônica. O verbete também apresenta os sentidos positivo e negativo do termo: o primeiro diz respeito a um ideal político, social ou religioso que culmine em uma sociedade feliz; já o segundo sentido, o negativo, é relacionado a projetos e planos irreais, ou seja, fantasiosos.
segundo texto, adaptado do filósofo francês Paul Ricouer (1913 – 2005), afirma que a utopia nos afasta da nossa realidade e do fato de ela ser obrigatória e nos aproxima de outras realidades possíveis e, assim, destaca as potencialidades de um grupo que está inserido na ordem vigente.
fuvest
terceiro texto, adaptado de Karl Mannheim, sociólogo judeu (1893 – 1947), afirma que o desaparecimento da utopia faria com que a humanidade se deparasse com nenhum ideal e, assim, seria transformada em uma coisa, um mero produto do impulso. Segundo o autor, o homem sem utopia perderia a vontade de construir e de compreender a história.
quarto texto, adaptado do filósofo francês contemporâneo André Comte – Sponville, argumenta que é possível e melhor vivermos sem utopias, pois elas são ineficazes, pois são apenas sonhos, e perigosas quando queremos realizá-las.
quinto texto da coletânea, por sua vez, é um poema do autor brasileiro Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) no qual o poeta faz um convite ao leitor: viver em um mundo utópico, mas possível, onde as pátrias não têm fronteiras, onde não há leis, igrejas, quartéis, dor, ouro e tantas outras coisas nocivas à harmonia. O candidato, neste momento, poderia ter se lembrado da canção Imagine, de Jonh Lennon (1940 – 1980), ex-integrante dos Beatles, na qual o músico inglês canta um mundo sem países, sem guerras, sem religiões e ainda conversa com o ouvinte, dizendo que podem chamá-lo de sonhador, mas que ele é apenas mais uma pessoa que espera um mundo no qual vivamos como um só.
Finalmente, o sexto e último texto da coletânea é também uma adaptação oriunda de Frédéric Rouvillois, professor francês, que traz a definição fundadora da palavra utopia e a relaciona com o já mencionado livro de Thomas More: a busca por uma sociedade perfeita e ideal, um verdadeiro paraíso pacífico no qual não há diferenças entre os homens e, portanto, uma sociedade livre de conflitos. Porém, o autor ressalta que, olhando por outro ângulo, essas condições seriam autoritárias e até genocidas a fim de alcançar essa perfeição por meio de instrumentos terríveis como a violência.
Este último texto pode ser relacionado, pelos candidatos que prestam vestibulares há muito tempo, para cursos concorridos como Medicina, ou pelos candidatos que tiveram contato com uma das propostas de vestibular da Unicamp 2013 com o texto da revista Superinteressante que aborda o lado bom do pessimismo.
Neste texto em específico, várias opiniões positivas acerca do pessimismo são apresentadas ao leitor, inclusive a do filósofo britânico Roger Scruton acerca do “otimismo inescrupuloso”, ou seja, “aquelas utopias que levam populações inteiras a aceitar falácias e resistir à razão”. Para ele, um exemplo desse otimismo exacerbado foi a ascensão do regime nazista que culminou na 2ª Guerra Mundial.
O candidato que pensa que as utopias são indispensáveis poderia argumentar que elas expressam a necessidade de lutarmos contra a nossa realidade a fim de construirmos uma nova e melhor realidade. Já aquele que as considera inúteis deveria afirmar que elas são inúteis, pois não passam de meras fantasias e sonhos, não passando de ilusões. Por fim, o candidato que opinou que as utopias são nocivas poderia destacar seus perigos ao se tentar atingir a perfeição por meio da violência e de ferramentas abusivas.
Consideramos o tema da proposta de redação do vestibular 2016 da FUVEST inovador e desafiador, já que trata-se de algo complexo e profundo.
Postar um comentário