NO INICIO DO BLOG

11 de dezembro de 2016

QUARTA PROVA TERCEIRÃO - REVISÃO

Assistir à televisão era algo especial, a começar pelo
 
manuseio do aparelho. Frequentemente apenas uma pessoa −
 
no geral, um adulto − era competente para ligá-lo e regular a
 
imagem. As crianças constituíam, desde o início, um segmento
5
importante do público, mas ainda lhes era imposta certa dis-
 
tância do aparelho.
 
Introduzida nos lares, a televisão concedia prestígio so-
 
cial à família. Mais que isso: a casa se tornava um centro de
 
atração e convivência para a vizinhança. Por isso, o público-
10
alvo incluía os televizinhos.
 
Havia ainda um misto de respeito e estranhamento
 
diante da caixa mágica e de seus mistérios. A posse do objeto
 
que traz as imagens para dentro de casa significava uma pos-
 
tura “moderna”, uma atitude desinibida diante da nova tecnolo-
15
gia.
 
Antes do videoteipe (VT), a teledramaturgia transporta-
 
va uma carga de emoção que era única, semelhante à tensão
 
típica de um espetáculo teatral. O público recebia inconscien-
 
temente essa carga e participava de algum modo dela. Se para
20
Aracy Cardoso o uso do VT permite sobretudo ao ator se ver e
 
corrigir a interpretação, Roberto de Cleto enfatiza que a intro-
 
dução do videoteipe prejudicou a interpretação: perdia-se uma
 
certa eletricidade que emanava da interpretação ao vivo. A
 
energia que vibrava da vontade “de se fazer bem e certo, ao
25
vivo” não estava mais presente.
 
As cartas dos leitores de revistas especializadas da
 
época revelam que o público se propunha a participar ativa-
 
mente no desenvolvimento do novo meio. Ele exercia a crítica
 
com a intenção de modificar o que lhe era apresentado: a pro-
30
gramação, a escolha dos atores, a composição dos cenários. 

1
Considerados os necessários ajustes, a substituição do elemento grifado pelo pronome correspondente foi realizada de modo correto em:
Postar um comentário