NO INICIO DO BLOG

25 de fevereiro de 2018

PAREM DE FAZER MODA DA LINGUAGEM NA PRODUÇÃO TEXTUAL

Sabemos que o idioma sofre inúmeras alterações, causadas, entre outros fatores, pela passagem do tempo e pela influência de outras culturas. Isso ocorre também com outros aspectos da sociedade, como o modo de se vestir, por exemplo. E é dessa área que vamos tomar o termo ‘moda’ emprestado e vamos falar um pouco sobre ‘modismos linguísticos‘.
Algumas expressões não reconhecidas pela Gramática Normativa surgem (a mídia é uma das fontes) e são empregadas com frequência tamanha que acabam caindo nas graças dos falantes. E quando surgem na boca ou pelas mãos de jornalistas ou apresentadores de TV, os leitores/espectadores ficam com a certeza de que são adequadas, afinal, onde já se viu a TV errar?
Selecionamos aqui algumas expressões que “estão na moda”, mas que apenas empobrecem o texto, já que são absolutamente inexpressivas e desnecessárias:
  • A nível de:
  • Embora muito empregada, a expressão não tem significado e geralmente é utilizada para preencher vazios vocabulares, passando assim a impressão de certo nível de erudição na fala. Podemos empregar em nível (=na esfera, no âmbito), como em Em nível estadual, não existe legislação sobre esse assunto. Ou ainda, ao nível (= na mesma altura), como em Aquela rua está ao nível do mar.
  • Colocar = expor, propor
  • Colocar é sinônimo de pôr. Para indicar que se vai apresentar uma ideia, estão disponíveis no idioma expor, propor, explanar, argumentar, esclarecer entre outros.
  • Gerúndio inadequado:
  • É comum ligarmos para uma empresa para resolver um problema e ouvir um “estaremos resolvendo seu problema” ou “vou estar transferindo sua ligação”. Muitas pessoas empregam essa forma verbal que desloca o gerúndio para um tempo futuro, mas que é admitido apenas na língua inglesa, mas em português não é adequada, pois há um excesso de verbos auxiliares e o ideal é buscar a concisão.
Como regra, pode-se dizer que o gerúndio está bem empregado quando há predominância do caráter verbal ou adverbial; quando o caráter durativo da ação está claro; e quando a ação expressa é coexistente ou imediatamente anterior à ação do verbo principal.
Observe o bom uso do gerúndio:
Gerúndio modal: Chegou cantando.
Gerúndio temporal (Indica simultaneidade entre a ação expressa pelo verbo principal e o gerúndio): Vi as crianças passeando.
Gerúndio durativo: Ficou fazendo a lição.
Gerúndio cuja ação é imediatamente anterior à do verbo principal: Levantando a caixa, deixou-a cair porque era muito pesada.
Gerúndio condicional: Tendo sido publicada a lei, cumpra-se!
Gerúndio causal: Conhecendo sua personalidade, não acreditei no que me disseram sobre ele.
Gerúndio concessivo: Mesmo chovendo muito, haveria churrasco.
Gerúndio explicativo: Vendo que o freio não funcionava, o motorista chamou o mecânico.
Essas expressões são “tipo assim” aquelas que devem ser evitadas nos bons textos, mas não são as únicas. No próximo artigo, veremos mais alguns modismos que empobrecem o texto e, por isso, devem ser evitados.
Postar um comentário