NO INICIO DO BLOG

9 de outubro de 2014

Hoje postagens para relaxar


7 cidades em ruínas que ainda s

ão um mistério

O mundo está cheio de cidades em ruínas, mas algumas são muito misteriosas e assombram nossa imaginação. Mesmo que saibamos quem as construiu, certos aspectos da cidade podem simplesmente desafiar a nossa compreensão na idade moderna. Aqui estão sete cidades antigas que nunca poderemos entender plenamente.

Çatalhöyük, Turquia


Em 7500 aC, esta cidade na região da Mesopotâmia (atual Turquia), abrigava milhares de pessoas e é considerada por muitos como um dos primeiros assentamentos urbanos do mundo. Mas a cultura das pessoas aqui era diferente de tudo que conhecemos hoje. Primeiramente, eles construíram a cidade como um favo de mel, com casas compartilhando paredes. Casas e prédios eram  acessados ​​por portas cortadas em telhados. As pessoas caminhavam nas ruas através destes telhados, e desciam as escadas para chegar a seus aposentos. Entradas eram muitas vezes marcadas com chifres de touros, e os membros da família mortos eram enterrados no chão de cada casa. Não está claro o que aconteceu com a cultura do povo que viveu nesta cidade. Seu estilo arquitetônico parece ser único.

Palenque, México


Como uma das maiores e mais bem preservadas cidades-estado maia, Palenque é o centro do mistério de toda a civilização maia - que se ergueu, dominou partes do México, Guatemala, Belize e Honduras, e em seguida, desapareceu sem muitas explicações. Embora descendentes dos maias ainda estejam prosperando no México e na América Central, ninguém tem certeza por que as grandes cidades maias ficaram em ruínas e foram  abandonadas por volta de 1400. Palenque estava em seu auge durante o período clássico da civilização maia, dentre os anos de 700-1100. Como muitas cidades maias, Palenque tinha templos, palácios e mercados. Mas a cidade, localizada perto do que hoje é conhecido como a região de Chiapas, tem algumas das esculturas mais detalhadas e inscrições da civilização maia, oferecendo importantes informações históricas sobre reis, batalhas e a vida cotidiana da civilização. Teorias para explicar por que essa e outras cidades maias foram abandonadas incluem a guerra, a fome e a mudança climática.

Cahokia, EUA


Localizada lado do rio Mississippi no que é hoje St. Louis, Cahokia foi por centenas de anos a maior cidade da América do Norte. Os seus habitantes construíram enormes montes de terra - alguns dos quais você ainda pode visitar hoje - e grandes praças que serviram de mercados e locais de encontro. Há fortes evidências de que os habitantes tinham práticas agrícolas muito sofisticadas, e que eles desviaram afluentes do Mississippi várias vezes para regar seus campos. Tal como os maias, o povo de Cahokia estava no seu auge civilizacional entre 600-1400. Ninguém sabe ao certo porque a cidade foi abandonada, nem como a região era capaz de sustentar uma civilização urbana de alta densidade (até 40 mil pessoas) por centenas de anos.

Derinkuyu, Turquia


Derinkuyu é uma enorme e antiga cidade subterrânea que remonta ao Império Bizantino. Não se sabe quando a cidade foi construída - algumas fontes dizem que  no 7º século aC -, mas não teria atingido seu maior tamanho até o período entre 500-1000 dC, quando ela tinha cinco andares de profundidade, com espaço para 20 mil pessoas, além de pecuária, cozinhas, uma igreja, e uma instalação de vinificação. Os moradores cavaram túneis e salas sob suas casas, sob a areia vulcânica da região central turca da Capadócia. Uma civilização subterrânea inteira foi prosperando aqui durante a Idade Média. Durante séculos, as pessoas fugiram para a área para encontrar um refúgio seguro contra os anti-cristãos, bandidos e, mais tarde, muçulmanos. Eventualmente, eixos longos foram escavados para conectar Derinkuyu com outras cidades subterrâneas na área. A cidade foi selada em algum momento após o século 10, e só foi reaberta ao público em 1969.

Pompeia, Itália


Há amplos registros históricos que documentam  a cidade romana de Pompeia, que foi enterrada em cinzas após a erupção catastrófica do Monte Vesúvio, em 79 dC. Sabemos que a cidade foi parcialmente destruída por um terremoto anos antes de o vulcão entrar em erupção, e que muitas de suas maiores casas já foram abandonadas antes da explosão final, que apagou a cidade para sempre. Nós até sabemos, a partir de registros históricos, que o Vesúvio começou a soltar cinzas e causar tremores nos dias que antecederam a erupção fatal. Então, qual é o mistério?

Como Pompeia foi perfeitamente preservada na configuração exata que tinha em 79 dC, existem centenas de detalhes históricos que são totalmente estranhos para os olhos contemporâneos - incluindo estranhas estátuas decorativas, grafite, artes inexplicáveis, e condições de vida que são diferentes de qualquer coisa que você vê em uma cidade moderna. Uma coisa é ler relatos históricos da Roma Antiga, e outra coisa é andar pelas ruas de uma cidade romana inalterada desde o auge do Império. Os mistérios da vida cotidiana são muitas vezes maiores do que os mistérios de como a civilização entrou em colapso.

Thonis, Egito



No oitavo século aC, a cidade lendária foi a porta de entrada para o Egito, uma cidade portuária que estava cheia de monumentos incríveis, comerciantes ricos, e grandes edifícios. Agora ela está totalmente submersa no Mar Mediterrâneo. Thonis começou o seu lento declínio após a ascensão de Alexandria. Mas, eventualmente, a cidade foi engolida pelo mar, que já foi a fonte de sua riqueza. Ninguém sabe ao certo como isso aconteceu, mas pelo oitavo século dC, a cidade desapareceu. Ela pode ter sido vítima da liquefação após um terremoto. [As 9 cidades submersas mais incríveis do mundo]

Machu Picchu, Peru


Muitas coisas permanecem misteriosas sobre o Império Inca, que dominou partes das regiões hoje conhecidas como Peru, Chile, Equador, Bolívia e Argentina por centenas de anos antes de os espanhóis invadirem, destruírem as suas cidades, e queimarem suas bibliotecas de registros quipu (a linguagem Inca). Embora saibamos muito sobre a tecnologia Inca, arquitetura e agricultura avançada - que estão em evidência na grande cidade inca Machu Picchu - nós ainda não podemos ler o que sobrou das tapeçarias que contêm seus registros escritos. E nós não entendemos como eles ergueram um vasto império sem nunca ter construído um único mercado. É isso mesmo - Machu Picchu e outras cidades incas não tinham comércio. Esta é uma diferença gritante da maioria das outras cidades antigas, que muitas vezes são construídas em torno de praças centrais e mercados. Como é que uma civilização tão bem sucedida existiu sem uma economia reconhecível?

Postar um comentário