NO INICIO DO BLOG

11 de julho de 2016

Conjunções subordinadas adverbiais



Orações Subordinadas Adverbiais

Estudante Lendo LivroAs orações adverbiais se dividem em 9 tipos. Veja a seguir alguns exemplos dos advérbios mais utilizados em cada tipo de oração e seus respectivos exemplos:

Comparativas

São orações que funcionam como um adjunto adverbial de comparação, onde o verbo fica implícito. Conjunções subordinativas comparativas são responsáveis por iniciar essas frases. Esse tipo de oração estabelece uma comparação com a principal.
Mais … que, menos … que, tão … quanto, como.
Exemplo: Laura era mais aplicada na escola que sua irmã.
Exemplo: Fabrício é menos egoísta que seu amigo.
Exemplo: Paulo é tão esforçado quanto a namorada.

Temporais

São orações que funcionam como adjunto adverbial de tempo. As conjunções subordinativas temporais ou as locuções conjuntivas subordinativas temporais são responsáveis por inicar as frases desse tipo. Indicam relação de tempo, relacionadas à ação da oração principal.
Enquanto, sempre que, assim que, quando, desde que, logo que.
Exemplo: Fico alegre, sempre que vou à casa de meus pais.
Exemplo: Ao terminarem o lanche, lavem as vasilhas!
Exemplo: Desde que ela foi embora, não soube mais o que era sorrir.

Finais

São orações que funcionam como adjunto adverbial de finalidade. Sempre são iniciadas por locução conjuntiva subordinativa final ou conjunção subordinativa final. Indicam um fim, propósito ou finalidade à oração principal.
A fim de que, porque, para que.
Exemplo: Aqui estamos reunidos, para confraternizarmos.
Exemplo: Estou estudando, a fim de passar no concurso.
Exemplo: Eis o motivo porque estou aqui.

Causais

São orações que exprimem a causa do fato, funcionando como adjunto adverbial de causa. São iniciadas por uma conjunção subordinativa causal ou uma locução conjuntiva subordinativa causal. Em geral, elas designam a causa ou o motivo da ação expressa na oração principal.
Porque, que, porquanto, por isso que, visto que, visto como, como, já que, pois que, uma vez que.
Exemplo: Fernanda está feliz porque conseguiu novo emprego.
Exemplo: A professora não saiu porque estava frio.
Exemplo: Como estava chovendo, não saímos de casa.
Como diferenciar Orações Coordenadas Explicativas das Orações Adverbiais Causais?
Orações coordenas explicativas: Neste caso, não há relação de causa e efeito entre as orações, mas apenas uma afirmação, justificativa ou explicação da oração principal. As orações são independentes uma da outra, são marcadas por vírgula ou a oração anterior pode vir no modo imperativo. Exemplo: Fiquem quietos, pois estou falando!
Orações subordinadas adverbiais causais: Os advérbios têm sempre a relação causa-efeito com a oração principal e estabelem uma causa ou motivo da ação. Se houver a possibilidade de colocar a segunda frase no início, antecedida por “como”, ela é causal. São orações dependentes uma da outra. Exemplo: Precisava entregar os relatórios em outra cidade, pois não havia ninguém no escritório.

Concessivas

As orações adverbiais concessivas devem dar ideia de impotência do locutor em relação a ação. São orações que funcionam como um adjunto adverbial de concessão. No geral, são iniciadas por uma conjunção subordinativa concessiva ou uma locução conjuntiva subordinativa concesssiva. Geram uma ideia de oposição em relação à oração principal.
Embora, apesar de, mesmo que, não obstante, conquanto, ainda que, malgrado, se bem que, por mais que, posto que, desde que, por muito que.
Exemplo: Todos foram embora, apesar da festa não ter terminado.
Exemplo: Mesmo que ele vá embora, não correrei atrás dele.
Exemplo: Embora o teste tenha sido fácil, demorei bastante para terminar.

Condicionais

As orações adverbiais condicionais devem transmitir a ideia de condição (dependência) e têm a relação de condição-causa em relação à oração principal. São orações que funcionam como adjunto adverbial de condição e são iniciadas por uma conjunção subordinativa condicional ou uma locução conjuntiva subordinativa condicional.
A não ser que, contanto que, se, caso, a menos que, desde que, senão, exceto se, sem que, uma vez que.
Exemplo: Se o jogo for ruim, não animará a torcida.
Exemplo: Caso tivesse concluído o dever de casa, teria saído para brincar.
Exemplo: Desde que se esforce, será aprovado no vestibular.

Proporcionais

São orações que funcionam como um adjunto adverbial de proporção, ou seja, são iniciadas por uma locução conjuntiva subordinativa proporcional. Expressam ou indicam uma relação de proporção à ideia principal.
Quanto, à medida que, à proporção que, ao passo que
Exemplo: À proporção que o tempo passava, ela ia ficando mais bela.
Exemplo: O barulho aumenta à medida que as pessoas chegam.
Exemplo: Quanto mais você fuma, mais perto fica da morte.

Obs: “na medida que” não existe!

Conformativas

São orações que indicam a maneira ou modo como ocorreu a ação da oração principal. Sua finalidade é estabelecer uma ideia de conformidade ou acordo. Funcionam como adjunto adverbial de conformidade, sendo iniciadas por uma conjunção subordinativa conformativa ou uma locução conjuntiva subordinativa conformativa.
Conforme, como, segundo, consoante, em consonância com que, de modo que, assim como, bem como, de maneira que, de forma que, do mesmo modo que.
Exemplo: Construímos nossa escola, segundo as especificações dadas pela prefeitura.
Exemplo: Conforme combinamos há duas semanas, eis os documentos.
Exemplo: Como eu havia lhe orientado, o avião já decolou.

Consecutivas

São orações que funcionam como adjunto adverbial de consequência e são iniciadas por uma conjunção subordinativa consecutiva. Orações adverbiais consecutivas devem dar a ideia de consequência. Essa oração subordinada é uma consequência da oração principal.
Tão que, tal que, tanto que, tamanho que, de forma que.
Exemplo: Comecei o dia tão bem que fui trabalhar contente.
Exemplo: Ele fala tão baixo, que todos precisam se calar para ouvir.
Exemplo: Juliana bebia tanto que foi pega no bafômetro.
Postar um comentário