NO INICIO DO BLOG

13 de julho de 2017

FATEC - SP - 2017/2


No último dia 02 de julho foi aplicado o vestibular de meio de ano da Faculdade de Tecnologia de São Paulo (FATEC-SP), mantida pelo governo estadual por meio do Centro Paula Souza. A FATEC-SP oferece cursos de graduação presenciais e a distância em todo o estado de São Paulo e sua especialidade são os cursos tecnológicos.
O vestibular de meio de ano da instituição teve como proposta de redação o tema “Impactos da imigração no mercado de trabalho” que combina dois assuntos que estão em voga atualmente no Brasil: imigração, inclusive de pessoas refugiadas de países em guerra, e mercado de trabalho que, por sua vez, está nas maiores discussões no país por conta das votações das reformas Trabalhista e da Previdência do atual governo federal.
Como a FATEC-SP é uma instituição de ensino superior mais voltada à formação de mão de obra tecnológica para diversos nichos de mercado (processamento de dados, tecnologia da informação, processo de mecânica, área ambiental etc), tal tema está de acordo com o perfil do candidato ao seu vestibular, por isso há um tratamento mais prático e objetivo, digamos assim, do tema da proposta de redação.
No entanto, as propostas de redação dos vestibulares da FATEC-SP apresentam um diferencial: o candidato pode escolher entre escrever uma narrativa ou uma dissertação-argumentativa. Como aqui o objetivo é analisar uma proposta real de redação de texto dissertativo-argumentativo por conta deste ser o tipo textual exigido pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), analisaremos apenas esta possibilidade.
A coletânea de textos é composta apenas por dois textos. Vejamos na íntegra:
Texto 1
No início da década de 1980, conhecida como “década perdida”, o baixo crescimento econômico fez o Brasil conhecer um novo processo em sua dinâmica populacional – a emigração de brasileiros, principalmente para os Estados Unidos, Japão, Canadá, Austrália e países da Europa e América Latina. Na “década perdida”, as altas taxas de inflação, de desemprego e a busca de melhores perspectivas de vida foram os principais motivos que levaram a uma evasão de brasileiros para outras partes do mundo. Depois de alguns anos de estabilidade do Plano Real, essas saídas diminuíram um pouco, mas foram retomadas após a desvalorização da moeda em 1999.
http://liramirian10.blogspot.com.br/2012/02/brasil-imigracao-e-emigracao_25.html. Acesso em: 25.03.2017. Adaptado.
Texto 2
Segundo estudo da McKinsey Global Institute (MGI), citado em reportagem de 2016, países desenvolvidos são beneficiados pela força de trabalho estrangeira.
Atualmente, os trabalhadores estrangeiros respondem por 9,4% (ou 6,7 trilhões de dólares) do PIB mundial. Caso não tivessem optado por se mudar para países mais produtivos, esse número seria cerca de 4% do PIB mundial, de acordo com a MGI. Os refugiados representam somente 10% dos 247 milhões de imigrantes em todo o mundo. Os outros 90% decidiram deixar seu país de origem por questões econômicas. 
Somente no  Brasil,  o número de imigrantes no mercado de trabalho formal cresceu 131,1% entre 2010 e 2015, conforme o Relatório Anual 2016 do Observatório das Migrações Internacionais. As regiões que registraram maior aumento no número de imigrantes foram Sudeste e Sul. São Paulo é o principal destino, com 35,8% dessa força de trabalho.
Estados Unidos e Canadá são, ao lado dos países da Oceania, os que mais bem integram os estrangeiros em seu mercado de trabalho. De acordo com o estudo, no Canadá, os procedimentos para reconhecimento da qualificação dos trabalhadores de outros países são mais simples do que na Europa, por exemplo.
Ainda de acordo com o levantamento, os imigrantes recebem, em média, entre 20% e 30% menos do que os trabalhadores locais. Mas equiparar esses salários seria positivo para os países ricos, já que ajudaria a aumentar a produção e o consumo internos.
http://veja.abril.com.br/mundo/imigrantes-sao-responsaveis-por-us-67-tri-do-pib-global/. Acesso em: 15.03.2017. Adaptado.
primeiro texto da coletânea textual foca, especificamente, em um movimento emigratório observado no Brasil na década de 1980, quando muitos brasileiros saíram no país em busca de melhores empregos e uma maior qualidade de vida em outros países, como por exemplo, Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália. Como a economia do país estava muito instável, com altas taxas de inflação que remarcavam os preços das mercadorias diariamente, às vezes até mais de uma vez por dia, cidadãos que podiam sair do país saíram.
Por se tratar de um texto pequeno, ao lê-lo o candidato tinha de ter em mente este cenário histórico, político e econômico referente aos anos de 1980 e 1990 do século XX, pois realmente foi um período complicado em vários sentidos.
Já o segundo texto da coletânea foca o movimento inverso, o da chegada de trabalhadores estrangeiros em países economicamente mais estáveis, os mesmos citados no texto anterior (Estados Unidos e Canadá). Tais trabalhadores correspondem a 9,4% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial e 90% deles saíram de seus países em busca de melhores condições de vida e não por conta de guerras.
O texto também comprova que o Brasil recebeu muitas pessoas nestas condições entre os anos de 2010 e 2015 e estas se destinaram, principalmente, para as regiões Sul e Sudeste, tendo a cidade de São Paulo como o maior destino. No entanto, tais trabalhadores ainda não conseguem receber, em sua maioria, salários equivalentes aos dos trabalhadores brasileiros mesmo, às vezes, tendo uma formação educacional igual ou até superior.
O tema desta proposta de redação não é tão específico e detalhado, então podemos inferir que o candidato tinha algumas opções de abordagem, como por exemplo, focar os impactos da imigração no mercado de trabalho brasileiro, estrangeiro ou, ainda, nos dois, já que existe um movimento imigratório, de entrada e de saída, dos países. Ainda há muitos brasileiros que optam por sair do Brasil em busca de melhores empregos em países de diversos lugares do mundo.
A palavra-chave aqui é impactos. Quais são os impactos econômicos, sociais e até culturais, para um país, da vinda de tantos trabalhadores estrangeiros? O mercado de trabalho poderá ficar do modo como está ou deve ser reformulado de alguma maneira, inclusive na legislação como estão votando deputados federais e senadores? Quais são os ganhos e/ou as perdas, se é que eles existem, com a chegada de estrangeiros?
Com a saída de brasileiros do país, o mercado de trabalho brasileiro tende a perder, obviamente, mão de obra técnica e intelectual, que irão trabalhar para economias de outros países. Como evitar que tantas pessoas queiram sair do Brasil?
Por fim, trata-se de uma proposta de redação que exigiu do candidato conhecimento de História, Política, Economia e até Sociologia para inferir acerca dos impactos da imigração no mercado de trabalho.
Postar um comentário