NO INICIO DO BLOG

30 de novembro de 2014

EBOLA

O que é o ebola?
Ebola é uma doença causada por um vírus cujos sintomas iniciais incluem febre, fraqueza extrema, dores musculares e dor de garganta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). À medida que a doença avança, o paciente pode sofrer de vômitos, diarreias e – em alguns casos – hemorragia interna e externa.
Pacientes com a doença podem morrer de falência múltipla dos órgãos ou desidratação; variedades diferentes da doença podem matar entre 50% e 90% dos infectados.
Acredita-se que o vírus tenha sua origem entre morcegos.
Meninas examinam cartaz do Unicef com informações sobre o ebola
Entre humanos, o vírus pode se espalhar por meio do contato direto com sangue contaminado, fluidos corporais ou órgãos do doente, ou mesmo por meio do contato com ambientes contaminados. Até funerais de vítimas de ebola podem representar risco, se outras pessoas tiverem contato direto com o corpo do defunto.
O período de incubação pode demorar de dois dias a três semanas, e o diagnóstico é difícil.
Agentes de saúde pública também correm risco caso tratem pacientes sem tomar as precauções adequadas para prevenir a contaminação.
As pessoas permanecem contaminadas enquanto seu sangue e suas secreções contiverem o vírus – em alguns casos, até sete semanas depois da recuperação.
Onde a doença ocorre?
O vírus do ebola é perigoso até depois da morte do paciente
Surtos de ebola têm ocorrido primariamente em vilarejos remotos da África Central e Ocidental, segundo a OMS.
A doença apareceu originalmente na República Democrática do Congo (quando se chamava Zaire), em 1976. Desde então, se espalhou para o leste, afetando países como Uganda e Sudão.
O surto atual tem a particularidade de ter se iniciado na Guiné, que nunca tinha registrado um caso antes, e de estar se espalhando por áreas urbanas.
De Nzerekore, uma área rural no sudeste da Guiné, o vírus chegou à capital, Conakry, e aos países vizinhos Libéria e Serra Leoa.
Estes países tinham um sistema de saúde muito frágil, com falta de médicos e enfermeiros, além da falta de equipamentos e recursos para combater o vírus.
Nigéria e Senegal também registraram casos da doença, mas em números bem menores. Um caso também foi registrado nos Estados Unidos, onde o paciente morreu.
Uma mulher, com suspeita de ebola, chora em frente a um hospital de Serra Leoa
Há também um caso confirmado na Espanha, de uma enfermeira que teve contato com doentes.
O vírus se espalhou em grandes áreas urbanas, o que dificulta a situação. Em vilarejos e cidades com grandes populações, as pessoas se movimentam mais, facilitando o contágio.
Ocorreram mais casos e mortes nesta epidemia do que em todas as outras juntas.
Como é o tratamento?
Não há uma cura comprovada para o ebola.
Pacientes em estado grave precisam ser hidratados rapidamente, com o uso de aplicações intravenosas de fluidos. Eles também precisam ser isolados de outras pessoas e receber tratamento intensivo.
Postar um comentário