No inicio do blog

26 de junho de 2016

A gente aprende lendo: sinalize elemento fora de lugar

A gente aprende lendo: sinalize elemento fora de lugar


MULHER DIGITANDO

Um componente da oração fora de lugar precisa sempre ser sinalizado ao leitor. No início da frase, então, é fundamental. Se forem duas ou mais palavras, coloque vírgula, é obrigatória; se for apenas uma palavra a vírgula não é obrigatória. É comum em citações de tempo (ano, mês, dia, hora, estação, lugar, situação). Em todos os casos, o texto ganha ritmo, e o leitor agradece, principalmente a pessoa que lê as redações e as respostas das questões cursivas das provas. Veja exemplos de autores consagrados.
1 – Às seis da manhã, quando o telefone deu o despertar, eu estava sentando na ponta da cama.Chico Buarque, em Budapeste, 2004, Prêmio Jabuti melhor livro do ano de ficção.
Note que a ordem direta seria: Eu estava sentando na ponta da cama quando o telefone deu o despertar, às seis da manhã.
 2 – Meio desconfiados, abrimos caminho naquele mundo de gente ao longo do bar e fomos nos refugiar no restaurante aos fundos.Fernando Sabino, em Neve pela primeira vez, in O Gato sou eu (1983).
Veja que bastaria colocar “Meio desconfiados”, com vírgula, ao final para termos ordem direta.
3 – Nesse diário, quase toda página é digna de menção.Frase de Elias Canetti, prêmio Nobel de literatura, em Sobre a morte (1942-1993).O início destacado deveria estar no fim da frase para termos ordem direta: Quase toda página é digna de menção nesse diário.
4 – Nunca, desde que me dei por gente, já disse “Senhor” para alguém.Frase também de Elias Canetti, na mesma obra.
Tanto a palavra nunca (citação temporal), como a frase seguinte, estão fora de lugar, por isso, estão separadas por vírgula nos dois casos. Na ordem direta, a frase começaria com o pronome ausente (eu, o sujeito) e seu verbo: (Eu) nunca já disse “Senhor” para alguém, desde que me dei por gente.
5 – No dia 15 de novembro pela manhã, o ministério estava reunido no quartel-general do exército, que era no Campo de Santana, hoje Praça da República, sob a guarda de uns dois mil homens comandados pelo brigadeiro Almeida Barreto.Graciliano Ramos, em Pequena história da república, no livro Alexandre e outros heróis (1938).
Note que a ordem direta começa em “O ministério estava reunido…” O autor deslocou a citação de tempo do final do período para melhor situar o leitor para a manhã do dia da Proclamação da República.
Postar um comentário