NO INICIO DO BLOG

19 de fevereiro de 2014

Verbos e o concurso Cespe - Caixa


Verbo é um dos assuntos mais detestados pela maioria dos brasileiros. Porém, podemos dizer que esta é uma palavra de extrema importância do nosso vocabulário; justamente por isso, acreditamos que o assunto merece um espaço na nossa página. Aqui você vai encontrar, além de questões de concursos, um estudo panorâmico sobre o assunto. Bons estudos!




Estudo panorâmico dos verbos

Verbo é a palavra que se flexiona em número (singular/plural), pessoa (primeira, segunda, terceira), modo (indicativo, subjuntivo, imperativo), tempo (presente, pretérito, futuro) e voz (ativa, passiva, reflexiva). Pode indicar ação (fazer, copiar), estado (ser, ficar), fenômeno natural (chover, anoitecer), ocorrência (acontecer, suceder), desejo (aspirar, almejar) e outros processos.
O que caracteriza o verbo são suas flexões, e não seus possíveis significados. Observe que palavras como feitura, cópia, chuva, acontecimento e aspiração têm conteúdo muito próximo ao de alguns verbos mencionados acima; não apresentam, porém, todas as possibilidades de flexão que esses verbos possuem.


Estrutura das formas verbais

Há três tipos de morfemas que participam da estrutura das formas verbais: o radical, a vogal temática e as desinências.


a) radical - é o elemento mórfico (morfema) que concentra o significado essencial do verbo: opin-ar aprend-er nutr-ir am-ar beb-er part-ir cant-ar escond-er proib-ir
Você notou que, para obter o radical de um verbo, basta eliminar as duas últimas letras do infinitivo. Podem-se antepor prefixos ao radical: des-nutr-ir re-aprend-er


b) vogal temática - é o morfema que permite a ligação entre o radical e as desinências. Em português, há três vogais temáticas:


- a- - caracteriza os verbos da primeira conjugação: solt-a-r; deix-a-r; perdo-a-r;

- e- - caracteriza os verbos da segunda conjugação: esquec-e-r; sofr-e-r; viv-e-r.
O verbo pôr e seus derivados (supor, depor, repor, compor etc.) são considerados da segunda conjugação, pois sua vogal temática é -e-, obtida da forma portuguesa arcaica poer, do latim ponere;


- i- - caracteriza os verbos da terceira conjugação: assist-i-r; permit-i-r, decid-i-r. O conjunto formado pelo radical e pela vogal temática recebe o nome de tema.


c) desinências - são morfemas que se acrescentam ao tema para indicar as flexões do verbo. Há desinências número-pessoais e desinências modo-temporais:


falá-sse-mos

falá-: tema (radical + vogal temática)
-sse-: desinência modo-temporal (indica o modo - subjuntivo - e o tempo -pretérito imperfeito - em que o verbo está conjugado)
-mos: desinência número-pessoal (indica que o verbo se refere à primeira pessoa do plural)


Flexões verbais

Você já sabe que os verbos apresentam flexão de número, pessoa, modo, tempo e voz. Vamos agora estudar mais minuciosamente essas flexões.


Flexão de número e pessoas

Os verbos podem se referir a um único ser ou a mais de um ser; no primeiro caso, estão no singular; no segundo, no plural. Essa indicação de número é acompanhada pela indicação da pessoa gramatical a que o verbo se refere.


Observe: estudo é forma da primeira pessoa do singular; estudas é forma da segunda pessoa do singular; estuda é forma da terceira pessoa do singular; estudamos é forma da primeira pessoa do plural; estudais é forma da segunda pessoa do plural; estudam é forma da terceira pessoa do plural.
Essas indicações de número e pessoa são claramente identificadas quando se relaciona cada forma verbal acima com o pronome pessoal correspondente:


- eu estudo
- tu estudas
- ele/ela estuda
- nós estudamos
- vós estudais
- eles/elas estudam


No português atual do Brasil, o pronome tu, de segunda pessoa, tem uso limitado a algumas regiões, muitas vezes de forma diferente da que prega a gramática oficial. É comum o emprego de formas como "tu foi", "tu pega", "tu falou". O pronome é de segunda pessoa, mas o verbo é conjugado na terceira. O pronome vós aparece em textos literários ou litúrgicos. Para o tratamento direto, difundiu-se no Brasil o emprego dos pronomes você/vocês, que levam o verbo para a terceira pessoa: ele/ela você estuda eles/e/as/vocês estudam


Observação: A forma verbal correspondente ao pronome vós caiu em desuso no Brasil mas ainda é corrente em Portugal.



Flexão de tempo e modo

No momento em que se fala ou escreve, o processo verbal pode estar em plena ocorrência, pode já estar concluído ou pode ainda não ter ocorrido. Essas três possibilidades básicas, mas não únicas, são expressas pelos três tempos verbais:


- o presente;
- o pretérito (que pode ser perfeito, imperfeito ou mais-que-perfeito);
- futuro (que pode ser do presente ou do pretérito).


Compare as formas estudo, estudei e estudarei para perceber essa distribuição em três tempos básicos. A indicação de tempo está normalmente ligada à indicação de modo, ou seja, a expressão da atitude de quem fala ou escreve em relação ao conteúdo do que fala ou escreve. Quando se considera o que é falado ou escrito uma certeza, utilizam-se as formas do modo indicativo (são exemplos estudo, estudei, estudava, estudarei).


MODO INDICATIVO:


PRESENTE ---- ESTUDO

PRETÉRITO PERFEITO ---- ESTUDEI

PRETÉRITO IMPERFEITO ---- ESTUDAVA

PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO ---- ESTUDARA

FUTURO DO PRESENTE ---- ESTUDAREI

FUTURO DO PRETÉRITO ---- ESTUDARIA

Observação:

1. O modo imperativo é dividido em duas formas: o afirmativo e o negativo. Não se conjuga a primeira pessoa do singular do imperativo, por motivo óbvio.


2. O esquema acima apresenta apenas os chamados tempos simples; além deles, há os tempos compostos, que apresentaremos mais adiante.


3. Os verbos possuem, além dos modos e tempos já apresentados, três formas nominais: o infinitivo (pessoal e impessoal), o gerúndio e o particípio. Essas formas são chamadas nominais porque podem assumir comportamento de nomes (substantivos, adjetivos e advérbios) em determinados contextos.

No caso do verbo estudar, temos: FORMAS NOMINAIS - infinitivo pessoal ( estudar, estudares...) infinitivo impessoal ( estudar) gerúndio (estudando) particípio (estudado)



Flexão de voz

A voz verbal indica fundamentalmente se o ser a que o verbo se refere é agente ou paciente do processo verbal. Há três situações possíveis:


a) voz ativa - o ser a que o verbo se refere é o agente do processo verbal. Em "O Juventus derrotou o Palmeiras", a forma verbal "derrotou" está na voz ativa porque "o Juventus" é o agente do processo verbal.


b) voz passiva - o ser a que o verbo se refere é o paciente do processo verbal. Em "O Palmeiras foi derrotado pelo juventus", a locução verbal "foi derrotado" está na voz passiva porque "o Palmeiras" é o paciente da ação verbal.


Há duas formas de voz passiva em português:


A voz passiva analítica, em que ocorre uma locução verbal formada pelo verbo ser mais o particípio do verbo principal (como em "O técnico foi demitido do clube"), e a voz passiva sintética, em que se utiliza o pronome se (nesse caso chamado pronome apassivador, ou partícula apassivadora) ao lado do verbo em terceira pessoa (como em "Alugam-se casas na praia").


c) voz reflexiva - o ser a que o verbo se refere é, ao mesmo tempo, agente e paciente do processo verbal, pois age sobre si mesmo. Em "O rapaz cortou-se com uma tesoura", a forma verbal cortou-se está na voz reflexiva, pois o rapaz é, a um só tempo, agente e paciente: ele cortou a si mesmo.

Atividades



1. Indique os morfemas presentes em cada uma das formas Verbais abaixo:


a) falássemos
b) pensáramos
c) estudarei
d) perderias
e) decidissem
f) produzo
g) corrompias
h) tratávamos
i) permitistes


2. indique o tempo, o modo, o número e a pessoa de cada uma das formas verbais destacadas nas frases abaixo:
a) Não (trataríamos) de alguém como ele.
b) Ninguém (relatara) nada a ela.
c) Se você ao menos (provasse)...
d) Talvez (obtenhas) o que nós não obtivemos.
e) Se eu o (localizar), (transmitirei) seu recado.
f) (Queixava)-se constantemente de que ninguém ali (dava) importância a ele.
g) (Pedistes) a verificação de vossos projetos?
h) (Digo) o que (penso).

Aprofundamento



1 (Univ. Alfenas-MG) Leia os versos abaixo e responda ao que se pede. "Convive com teus poemas, antes de escrevê-los. Tem paciência, se obscuros. Calma, se te provocam."



Caso o poeta tivesse optado pela forma você, em vez de tu, a alternativa que contém as mudanças corretas seria..
a) Conviva com teus poemas, antes de escrevê-los. Tenha paciência, se obscuros. Calma, se o provocam.
b) Convive com seus poemas, antes de escrevê-los. Tende paciência, se obscuros. Calma, se lhe provocam.
c) Conviva com seus poemas, antes de escrevê-los. Tenha paciência, se obscuros. Calma, se o provocam.
d) Convivei com seus poemas, antes de escrevê-los. Tenha paciência, se obscuros. Calma, se lhe provocam.
e) Convivei com vossos poemas, antes de escrevê-!os. Tende paciência, se obscuros. Calma, se vos provocam.


2 (ESALq-SP) Considerando os verbos destacados nas frases abaixo, relacione a coluna da esquerda com a da direita. Depois marque a sequência numérica que corresponde à resposta certa.
1. infinitivo impessoal
2. presente do indicativo
3. infinitivo pessoal
4. futuro do pretérito do indicativo
5. imperfeito do subjuntivo
6. perfeito do indicativo
( ) Ser livre - como (diria) famoso conselheiro - é não ser escravo.
( ) (Somos), pois, criaturas nutridas de liberdade.
( ) Diz-se que o homem (nasceu) livre.
( ) Diz-se que (renunciar) à liberdade é renunciar à própria condição humana.
( ) Os papagaios vão pelos ares até onde os meninos de outrora não acreditavam que se (pudesse) chegar com um fio de linha.
( ) Os loucos que sonharam sair de seus pavilhões usando a fórmula do incêndio para (chegarem) à liberdade, morreram.

a) 4-2-6-1-5-3
b) 5-6-2-4-1-3
c) 3-5-2-6-4-1
d) 6-2-4-1-3-5
e) 3-6-5-2-1-4


3 (PUCSP) Em relação aos trechos: A questão (era) conseguir o Engenho Vertente,... e Ele (tinha) os seus planos na cabeça. (Via) as usinas de Pernambuco crescendo de capacidade... se substituirmos os verbos destacados pelo futuro do pretérito do indicativo, teremos:
a) fora, tivera, vira.
b) seria, teria, veria.
c) seria, teria, viria.
d) fora, teria, veria.
e) será, terá, verá.


4 (FUVEST-SP) Preencha os claros da frase transformada com as formas adequadas dos verbos assinalados na frase original.


Original: Para você (vir) à Cidade Universitária é preciso (virar) à direita ao (ver) a ponte da Alvarenga.

Transformada: Para tu ( ) à Cidade Universitária e preciso que ( ) à direita quando ( ) a ponte da Alvarenga.

a) vir - vire – ver
b) vires - vires – veres
c) venhas - vires – vejas
d) vir - virar – ver
e) vires - vires - vires


5 (VUNESP) Alternativa em que o verbo auxiliar destacado estiver atuando na construção da voz passiva:

a) Não (haviam) preparado a mínima homenagem.
b) Os que lá se encontravam (tinham) respondido friamente à saudação dele.
c) Apanhara aquela velha revista e (começara) a folheá-la.
d) Esforçando-se para dar a entender que sua ausência não (seria) sentida.
e) Nunca, porém, (haveria) de esquecer aquela frágil armação de lona e tabique.


6 (VUNESP) "(...) mas, a quinhentos metros, tudo se torna muito reduzido: sois uma pequena figura sem pormenores; vossas amáveis singularidades fundem-se numa sombra neutra e vulgar." Transcreva o trecho acima:

a) no futuro do pretérito do indicativo, mantendo a segunda pessoa do plural;

b) na segunda pessoa do singular, mantendo o modo e o tempo verbais do texto de Cecilia Meireles.



7 (UNIMEP-SP) "Assim eu (quereria) a minha última crônica: que (fosse) pura como esse sorriso." (Fernando Sabino) Assinale a série em que estão devidamente classificadas as formas verbais em destaque.

a) futuro do pretérito, presente do subjuntivo
b) pretérito mais-que-perfeito, pretérito imperfeito do subjuntivo
c) pretérito mais-que-perfeito, presente do subjuntivo
d) futuro do pretérito, imperfeito do subjuntivo
e) pretérito perfeito, futuro do pretérito


8 (FAME/FUPAC-MG) Em: "(Sei) de uma moça... Se alguém (escrevesse) a sua história, (diriam) como o senhor (...)", há verbos empregados respectivamente no:

a) presente do indicativo, pretérito imperfeito do subjuntivo, futuro do pretérito do indicativo.
b) presente do indicativo, pretérito imperfeito do indicativo, futuro do pretérito do indicativo.
c) presente do indicativo, pretérito imperfeito do indicativo, pretérito imperfeito do subjuntivo.
d) presente do indicativo, futuro do pretérito do indicativo, pretérito imperfeito do indicativo.
e) presente do indicativo, futuro do pretérito do subjuntivo, pretérito imperfeito do subjuntivo.


9 (FECAP-SP) Numa das alternativas, há formas rizotônicas. Assinale-a.

a) virei, respeitou, estava
b) comprando, negaceou, virou
c) conto, entra, imagina
d) pensou, tossindo, fazia
e) respondi, serrar, elogiando


10 (F. C. Chagas-SP) Para que você ( ) isso, precisa ser ambicioso; quem ( ) sem que ( ), certamente é ambicioso.

a) deseja, deseja, estima
b) deseje, deseja, estime
c) deseje, deseja, estima
d) deseja, deseje, estime
e) deseje, deseje, estima


GABARITO
01 a)
02 b)
03 b)
04 e)
05 d)
06 a) sereis – funder-se-iam / És – fundes-se
07 d)
08  a)
09 d)
10 b)
Postar um comentário