NO INICIO DO BLOG

19 de fevereiro de 2017

INTERPRETAÇÃO DE TEXTO


Pensar o outro
    A expressão “colocar-se no lugar do outro” é antes um clichê da boa conduta que uma prática efetivamente assumida. É mais fácil repetir a fórmula desse pré-requisito para uma discussão consequente do que levar a efeito o que esta implica. Quem, de fato, é capaz de se colocar no lugar do outro para bem discernir um ponto de vista alheio ao seu? Qualquer pessoa que, por exemplo, frequente as redes sociais, sabe que, numa discussão, os argumentos de um contendor não levam em conta a argumentação do outro. Em vez de se contraporem ideias em movimento, batem-se posições já cristalizadas. A rigor, não há propriamente confronto: cada um olha apenas para si mesmo. 
    Há a convicção de que aceitar a razão do outro é perder a própria. Por que não avaliar que o exame dos argumentos alheios pode ser uma forma de fortalecer os nossos? E se os nossos forem de fato mais fracos, por que não abdicar deles, acolher a verdade que está do outro lado e fortalecer-nos com ela? A dinâmica de um debate deve admitir o pensamento crítico, que é, e deve ser sempre, um pensamento disposto à crise. A vida não para de nos mostrar que é com os momentos críticos que mais aprendemos. Colocar-se no lugar do outro inclui a possibilidade de querer ficar nele: por que não admitir que a razão pode estar do outro lado? Negar o outro é condenar-nos à imobilidade – essa irmã gêmea da morte.

(MELLO, Aristides de, inédito)




Questões de Interpretação de Textos - Fundação Carlos Chagas

01. A resolução de efetivamente “colocar-se no lugar do outro” Constitui,

a) por vezes, uma demonstração de fragilidade que pode ser estrategicamente adequada em determinadas situações.

b) Quase sempre, uma abdicação da própria razão, em virtude da superioridade da razão alheia.
c) a princípio, a disposição real de levar em conta o argumento alheio, sem predisposição negativa.

d) em princípio, a desconfiança de que nossas convicções são na verdade frágeis, e é preciso reformulá-las.

e)frequentemente, uma iniciativa necessária para aquele que precisa confirmar a fragilidade da posição alheia.

02. Quanto ao sentido que constituem no primeiro parágrafo do texto, há uma relação de oposição entre estes dois segmentos:


a) clichê da boa conduta / fórmula desse pré-requisito
b) bem discernir um ponto de vista / “colocar-se no lugar do outro”
c) prática efetivamente assumida. / bem discernir um ponto de vista alheio
d) se contraporem ideias / posições já cristalizadas.
e) não há propriamente confronto: / cada um olha apenas para si mesmo.

03. Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um segmento em:

a) um clichê da boa conduta (1º parágrafo) / um efetivo padrão da prática
b) a fórmula desse pré-requisito (1º parágrafo) / a solução desse preâmbulo
c) por que não abdicar deles (2º parágrafo) / há razão para contestá-los
d) acolher a verdade (2º parágrafo) / ir de encontro à razão
e) ensamento disposto à crise (2º parágrafo) / ideia capaz de contestar-se


04. É preciso corrigir a redação confusa e incorreta deste livre comentário sobre o texto:


a) O fato de aceitarmos um debate deveria significar que estamos efetivamente dispostos a considerar as razões do outro.

b)  As razões do outro não devem de ser desconsideradas caso lhes julguemos mais frágeis do que supomos ser as nossas próprias ideias.

c) Não é prova de fraqueza ou de inferioridade aceitar uma argumentação efetivamente mais consistente do que a nossa.
d) A força de nossa argumentação só pode ser comprovada caso se disponha a um confronto verdadeiro com os argumentos do nosso contendor.

e) Não há por que não abdicar de nossos argumentos se estes se revelarem mais frágeis do que os utilizados pelo outro num honesto debate.


05. Quanto à concordância e à articulação entre tempos e modos, está plenamente correto o emprego das formas verbais na frase:


a) Por que haveria de ser uma humilhação caso ficarem demonstradas toda a fragilidade das ideias que supúnhamos fortes?

b) Ao assumirmos que são aceitáveis, nas ideias em debate, a argumentação alheia, não haveria por que não as acolhêssemos.

c) É quando entra em crise que nossos argumentos deveriam mostrar-se fortes, aproveitando a oportunidade para virem a se fortalecer. 

d) Somente seriam inaceitáveis as razões do outro caso lhes faltasse consistência no desenvolvimento da argumentação.

e) Supõe-se que a palavra confronto, ao indicar enfrentamento, devesse indicar um posicionamento que acatariam cada um dos contendores.


Gabarito 
1. C 
2. D
3. E
4. B

5. D
Postar um comentário