NO INICIO DO BLOG

11 de julho de 2014

Tema de redação



Não devemos aceitar a imortalidade
Trocar um gene defeituoso por outro, saudável, e curar uma doença é um feito louvável. Mas e se a 
modificação genética fosse feita somente para tornar o ser humano mais forte, mais bonito? Essa é uma das 
polêmicas surgidas a partir do florescimento de tecnologias capazes de modificar o DNA e também é um dos temas 
do novo livro do filósofo americano Michael Sandel, “Contra a Perfeição”. Professor de filosofia política da 
Universidade Harvard (EUA) e celebrado como um dos mais brilhantes pensadores da atualidade, Sandel acredita 
que os feitos proporcionados pela engenharia genética – entre eles a seleção dos melhores embriões ou a escolha do 
sexo do filho – impõem à sociedade um espinhoso desafio moral que, no limite, chega ao questionamento do que 
representa a própria humanidade. 
Ser ou não ser humano? Redija um texto argumentativo no qual você mostre seu posicionamento sobre a 
manipulação do material genético sem fins curativos.
Postar um comentário