NO INICIO DO BLOG

11 de julho de 2014

Tema de redação


A sexta edição da revista Raiz. Cultura do Brasil discute a relação Popular x Erudito. Segue um 
trecho da matéria.
Algumas denominações precisam de muita cautela para serem usadas, na medida em que, sem esse 
cuidado, podem ser empregadas para encobrir a realidade em lugar de desvelá-la, além de poderem se 
transformar em instrumento de hierarquização e discriminação entre pessoas, objetos, atos. É esse o caso 
dos termos arte popular e arte erudita. Um leigo, ou mesmo a visão capitalista, podem dissociar os 
trabalhos intelectual e manual, vinculados, respectivamente, à elite e ao povo. Daí fica subentendido que 
a produção popular pertence ao campo do irracional ou simplesmente do executar sem se preocupar com 
qualquer elaboração.
É inegável que essa é uma classificação um tanto quanto discriminatória, pois confina as criações 
populares num gueto, resultando em reserva de mercado para a produção de origem erudita, dirigida 
geralmente à camada social dominante. (...)
Fonte: http://revistaraiz.uol.com.br
Vivemos numa época em que a arte dita transgressora enche os olhos da ala intelectual em galerias 
de toda a Europa. Um exemplo disso é a arte dos grafiteiros, que outrora foi tachada de pichação marginal. 
Também vivemos tempos em que as redes sociais tornam todos os humanos apreciadores de Picasso e Van 
Gogh, pois dentro dessas plataformas cabe de tudo: eruditos, não eruditos e pseudoeruditos.
Assim, ainda é possível separar o que é da cultura erudita do que é da cultura popular? 
Redija um texto argumentativo que responda a esse questionamento.
Postar um comentário