NO INICIO DO BLOG

14 de janeiro de 2015

Verdades!!!

Os jovens nunca tiveram qualquer interesse em aula. NUNCA, em época alguma. Estuda-se quando é jovem? Sim! Mas por disciplina de pais e instituições. Sempre foi assim com a maioria, inclusive com os intelectuais que, depois, contam a mentira, para seus filhos, que sempre foram estudiosos. Alguns foram. Tipo Rorty, introvertido. Mas o resto não. O resto teve uma boa instituição, uma instituição dura e cobradora. Quando se está endorfinado até o último fio de cabelo do ânus, com o membro ereto 24 horas por dia, com sonhos malucos e com uma vontade de aparecer excessiva, tudo é distração. A menina olha para baixo, vê-se molhada, pegando fogo, e com capacidade de atrair homens mais velhos e fazer inveja às colegas e provocar ciúmes nos colegas. Tudo é distração. Alguns nessa época são bons leitores e até disciplinados. Pulam a adolescência (e se estrepam depois). Mas, o certo não é isso.
A fase do ensino médio é a fase dura. O que faz o jovem não estudar nessa fase não é a TV ou a internet ou o excesso de matérias da escola ou a defasagem da escola com a vida. Tudo isso é conversa mole de quem não entende NADA de filosofia da educação. A adolescência é avessa ao mundo da disciplina intelectual. Aprendam isso seus pedagogos cabeça duras, seu homens de governo tolos e seus educadores e professores de araque.
Reformas escolares com invencionices e culpabilização dos professores nunca vão melhorar nada. Chega. Não sejam mais tolos do que já foram, sempre propondo isso. A escola que segura o jovem é a escola que segura mesmo! Com professores com autoridade porque são competentes e porque recebem um bom salário. E porque possuem autoridade emanada da escola, que não cede às conversinhas fiadas daqueles que todo dia criam uma lei nova para tornar a escola “mais atrativa”.
Não me falem mais de educação. Educação é isso. E é simples.
Paulo Ghiraldelli, 57, filósofo
Postar um comentário