No inicio do blog

12 de outubro de 2016

Entender o tema na íntegra

Um dos problemas observados na maioria nos textos é a abordagem do tema. Fora proposto aos candidatos que analisassem a geração anterior à deles e os valores que transmitiram aos jovens de hoje.

Muitos se ativeram à constatação de que a família é o grande responsável pela formação dos jovens (e quase todos elogiaram os seus próprios pais, que lhes ensinaram a "distinguir o certo do errado" -os conceitos de certo e errado, entretanto, não foram discutidos).

Aos professores parece estar reservado um papel importantíssimo nesse processo. As condições em que atuam, todavia, fazem que muitos deles tenham pouco a oferecer. São vistos como vítimas de uma sociedade que os desvaloriza.

Os políticos são os eternos maus exemplos e pouco contribuem para a educação. Já os religiosos escaparam das críticas.

O que falta na maioria dos textos é a capacidade de abstrair as próprias vivências. O culto ao consumo e ao indivíduo, enfim, a aceitação do modelo de felicidade proposto pelo sistema capitalista -consumir, escolher a carreira segundo as exigências do mercado independentemente da realização pessoal- alia-se a uma religiosidade conservadora e desvinculada da realidade (ligada apenas à idéia da conquista de "paz de espírito" e, quando muito, à prática da caridade).

Não se vê nenhum convite à mobilização coletiva. A descrença na alternativa ao modelo vigente de sociedade perpassa os textos, que, em sua maioria, revelam uma geração que trocou o sonho coletivo pelo individual.
A parcialidade no entendimento do tema é um dos motivos do tangenciamento, ler na íntegra e fazer as abordagem do todo é o correto. todos os comentários anteriores são de alunos que leram superficialmente o tema. 
Postar um comentário